Sicredi






A Câmara Municipal de Mossoró realizou nesta quinta-feira (30), audiência pública que atende a exigência da Lei Complementar n° 141/2012, a qual determina que a Secretaria da Saúde faça prestação de contas a cada quatro meses.
Em um primeiro momento, a gestão expôs e explicou números referentes ao 1º, 2º e 3º quadrimestres de 2014.
No segundo momento, convidados e vereadores, fizeram questionamentos acerca da saúde pública de Mossoró. Os principais pontos abordados foram: contratação de 50 agentes endemias; ampliação das Estratégias da Saúde da Família; Centro de Especialidades Odontológicas; paralização das cirurgias eletivas; meta da vacinação; atual situação do São Camilo; entre outros.
Em um último momento, a Secretária de Saúde, Leodise Cruz, quando respondeu a cada questionamento levantado, revelou que o município de Mossoró abdicou o direito de receber recursos oriundos do Governo do Estado do Rio Grande do Norte e, sofre consequências até hoje.
Quanto ao Centro de Especialidades Odontológicas, Leodise, relembrou que o prédio que atendia a população havia sido fechado em outras gestões, mas que os profissionais que prestavam serviço no local, estão atendendo em unidades espalhadas no município de Mossoró.
A secretária, ainda, informou que o município investe em média R$ 3 milhões/ano na UTI Pediátrica, que atende 64 municípios.
A audiência pública, que foi presidida pela vereadora Izabel Montenegro, contou com a participação de Leodise Cruz, Secretária de Saúde do Município de Mossoró; Marleide Cunha, Presidente do Sindicado dos Servidores de Mossoró; Gilberto Pedro Fernandes, Presidente do Conselho Municipal de Saúde; Diego Tobias, Representante da OAB; e dos vereadores: Alex Moacir, Soldado Jadson, Genivan Vale, Francisco Carlos, Vingt-un Neto, Nacízio Silva, Tomaz Neto, Celso Lanches, Flávio Tácito, Manoel Bezerra, Claudionor dos Santos e Alex do Frango.

Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem