BANNER 1


Marginal Tietê é bloqueada em protesto do MTST - Reprodução Facebook/MTST

SÃO PAULO - Mais de 30 rodovias e avenidas do país foram bloqueadas na manhã desta quinta-feira pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que prostesta contra o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff e um eventual governo Michel Temer. Só em São Paulo, são 14 pontos de interdição, o maior deles nos dois sentidos da Rodovia Regis Bitencourt (Rodoanel), na altura de Taboão da Serra. Pneus e sacos de lixo foram queimados e o trânsito, interditado nos dois sentidos, provoca lentidão. Segundo o "G1", a cidade somava 156 km de vias congestionadas às 8h, no quarto pior trânsito da manhã na capital paulista em 2016.


No Rio de Janeiro, houve manifestação em um dos acessos da ponte Rio-Niterói e também teria ocorrido, segundo os manifestantes, um ato na Avenida Brasil, próximo a São Cristóvão. Cerca de 80 pessoas do grupo, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), atearam fogo em pneus, interditando a Avenida do Contorno, na altura do estaleiro Aliança, em Niterói. O bloqueio provocou um congestionamento de aproximadamente três quilômetros com reflexos na Rodovia Niterói-Manilha. Bombeiros do quartel de Niterói foram acionados e apagaram as chamas rapidamente. Depois, eles limparam a pista para a liberação da via ao trânsito. Policiais militares também foram para o local. Os manifestantes se dispersaram com a chegada da polícia.

Protesto com pneus em chama interdita a Avenida do Contorno com reflexos na Rodovia Niterói-Manilha, no sentido Niterói - Foto da leitora Izabela Moreira

O MTST protesta ainda em Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás, Ceará, Pernambuco e no Distrito Federal. Ainda na cidade de São Paulo, os manifestantes fecharam a pista local da Marginal Tietê, próximo ao Sambódromo, na Zona Norte. Há bloqueio no Morumbi, Zona Sul, na Avenida Giovanni Gronchi. Duas pistas da rodovia Rodovia Raposo Tavares também foram fechadas.
“O objetivo da mobilização é denunciar o golpe em curso no país e defender os direitos sociais, que entendemos estarem ameaçados pela agenda de retrocessos apresentada por Michel Temer caso assuma a presidência” , diz nota enviada pelo MTST.

Protesto na BR 116, em Fortaleza - Divulgação / MTST

*O Globo




Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem