segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Moro defere pedido da defesa, e Lula e Temer serão testemunhas de Cunha

  •  
Eduardo Cunha faz exame de corpo de delito no IML em Curitiba  (Foto: Giuliano Gomes/ PR PRESS)Eduardo Cunha está preso desde 19 de outubro, em Curitiba (Foto: Giuliano Gomes/ PR PRESS)
O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos em primeira instância da Operação Lava Jato, deferiu nesta segunda-feira (7) o pedido da defesa do deputado cassado Eduardo Cunha para que o presidente Michel Temer (PMDB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sejam suas testemunhas.

Além dos dois, outros 20 nomes estão entre as testemunhas arroladas pelos advogados do ex-presidente da Câmara dos Deputados - entre eles, pessoas já condenadas na operação, como o pecuarista José Carlos Bumlai e o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.
Moro mandou notificar todas as testemunhas, ainda nesta segunda-feira.
As oitivas desta ação penal, referente a contas usadas para lavar dinheiro na Suíça, começam em 18 de novembro, em Curitiba, com Eduardo Musa, ex-gerente da Petrobras, e Rafael de Castro da Silva, auditor da estatal, arrolados pela acusação.
No dia 22, as testemunhas indicadas pela defesa passam a ser ouvidas pela Justiça.
Lula deve ser ouvido, preferivelmente, por videoconferência, no prazo de 30 dias, de acordo com o despacho.
Temer poderá escolher se prefere ser ouvido em audiência ou por escrito, ainda conforme o juiz federal. Ele tem cinco dias para enviar resposta. Não há data definida para a oitiva de ambos.
Cunha preso
O ex-presidente da Câmara dos Deputados foi preso em 19 de outubro, em Brasília, sob acusação de receber propina de contrato de exploração de Petróleo no Benin, na África, e de usar contas na Suíça para lavar o dinheiro. Desde então, ele está na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba.

Os advogados de Cunha negaram as acusações e criticam o Ministério Público Federal (MPF) e disseram que os procuradores não explicaram qual seria a participação do ex-deputado no esquema.
A defesa pediu que a denúncia contra o ex-deputado seja rejeitada. Pediu, também, rejeição da acusação de corrupção passiva, de parte da denúncia que acusa o ex-deputado de conduta criminosa em relação ao ex-diretor da Petrobras Jorge Zelada (já condenado na Lava Jato), a absolvição sumária do crime de evasão de divisas, a suspensão do processo até que sejam julgados embargos de declaração apresentados ao Supremo Tribunal Federal (STF) e a nulidade das provas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário