quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Temer diz que não se 'incomoda' em se tornar presidente 'impopular'

Declaração foi dada durante reunião do Conselho de Ciência e Tecnologia.
No encontro, ele disse ainda que país passa por 'grande ajustamento fiscal'.

O presidente Michel Temer (centro), durante reunião do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, no Palácio do Planalto (Foto: Beto Barata/PR)
O presidente Michel Temer (centro), durante reunião do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, no Palácio do Planalto (Foto: Beto Barata/PR)

O presidente da República, Michel Temer, afirmou nesta quinta-feira (10), em reunião do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, no Palácio do Planalto, que não se "incomoda" em se tornar um presidente "impopular".


Desde que assumiu o Palácio do Planalto, em maio – ainda como presidente em exercício –, em razão do afastamento da então presidente Dilma Rousseff, Temer tem sido alvo de protestos pelo país.

Nos últimos meses, as manifestações têm sido, principalmente, contra a medida provisória que instituiu uma reforma no ensino médio no país e contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita os gastos públicos, incluindo os investimentos em saúde e em educação.

"No instante em que nós fazemos um grande ajustamento fiscal, com a grande fórmula de readequação, por exemplo, da Previdência Social, estamos pensando no Brasil do futuro", disse o presidente nesta quinta.


"De vez em quando me dizem: 'Mas Temer, você vai ficar muito impopular'. Eu não me incomodo. Se eu ficar impopular, mas, daqui a dois anos, as pessoas perceberem que o Brasil entrou nos trilhos, eu me dou absolutamente por satisfeito", acrescentou Temer na reunião do Conselho de Ciência e Tecnologia.

De acordo com a pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), e divulgada no mês passado, 14% dos entrevistados consideram o governo Temer "ótimo/bom"; enquanto 34%, "regular"; e 39%, "ruim/péssimo" (12% não souberam ou não responderam).

Discurso
No encontro desta quinta, o presidente defendeu ainda que haja "consciência" na sociedade de qua o regime fiscal "está sendo adequadamente planejado" para os próximos, com o objetivo de o Brasil se tornar um país "maior" do que foi nos últimos anos.

Temer disse também que, segundo projeções internas, se os gastos públicos continuassem no mesmo ritmo de crescimento, em 2024 o Brasil seria um Estado "falido".

O presidente acrescentou que a população espera um Estado "mais eficiente" e com mais inovações científicas. "Quando você tem um país tecnologicamente avançado, tem um país respeitado. (...) As pessoas querem eficiência do Estado", disse.

Conselho de Ciência e Tecnologia
O governo retomou nesta quinta os encontros do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, que não se reunia desde junho de 2014.

Criado em 1996, no governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso, o grupo é formado pelo presidente da República, representantes do governo e da sociedade civil, com o objetivo de assessorar a Presidência a formular políticas públicas voltadas à ciência e à tecnologia.

Durante a reunião, informou o ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, o governo acertou a liberação de R$ 654,3 milhões para contratação de 101 projetos de pesquisa, e mais R$ 1,5 bilhão para a pasta quitar contas de anos anteriores, os chamados "restos a pagar".

Além disso, informou o ministro da Saúde, Ricardo Barros, o governo decidiu criar um programa para informatizar todos os dados da pasta, o que permitirá, segundo ele, dar mais "agilidade, economia e confiabilidade".

"[A informatização] nos permitirá ter controle absoluto de todo o prontuário eletrônico, da ficha médica de cada cidadão para que tenha, à sua disponibilidade, evidentemente com a reserva devida, esses dados e possa ser atendido em qualquer unidade de saúde", explicou.


Nenhum comentário:

Postar um comentário