quinta-feira, 2 de março de 2017

Temer e família desistem de morar no Palácio da Alvorada e voltam para o Jaburu

Uma semana depois de ter se mudado para o Palácio da Alvorada, o presidente Michel Temer, a primeira-dama, Marcela e o filho Michelzinho, de sete anos, voltaram a morar no Palácio do Jaburu. “O presidente não se adaptou ao local, achava tudo muito distante e pouco conseguia ver o filho”, afirmou um assessor presidencial.

Quando regressou nesta terça-feira de Salvador, onde passou os feriados do carnaval na Base Naval de Aratu, Temer já foi direto para o Palácio do Jaburu com a família. “O presidente não gostou de lá, achou muito frio”, prosseguiu o interlocutor. Para o presidente, o Jaburu “se parece muito mais com uma casa comum”.
A ida da família presidencial para o Jaburu causou uma enorme polêmica por conta da instalação de uma tela de proteção na varanda do quarto que foi reformado para receber o menino no Alvorada. A reforma custou R$ 24.015,68, segundo informou a Secretaria de Governo ao Estado.
A obra foi criticada pelo ex-curador do Alvorada Rogério Carvalho que classificou a iniciativa como “uma barbaridade deplorável”. Ele disse à reportagem que o Palácio da Alvorada “é um símbolo nacional e não pode ser desfigurado como foi”. Carvalho lembrou ainda que o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama quando se mudou para a Casa Branca tinha uma filha na idade do filho de Temer, sete anos, e nem por isso modificou a fachada da residência presidencial norte-americana.
A instalação da tela foi autorizada pelo IPHAN. A permissão dizia que a instalação é “em caráter temporário” e foi dada para atender a questões de segurança, desde que “nenhum elemento de fixação poderá utilizar as superfícies revestidas em pedra (mármore)”. A área onde foi instalada a tela fica no segundo andar do Alvorada, onde está a parte íntima da residência. Ali existem seis quartos, que sofreram mudanças para receber a família.
*Agência Estado

Nenhum comentário:

Postar um comentário