segunda-feira, 12 de junho de 2017

Contra rompimento, PMDB sinaliza apoio a PSDB em 2018 e no Senado

No corpo a corpo do governo para desmobilizar o desembarque tucano, interlocutores de Michel Temer sinalizam ao PSDB com duas cartas, principalmente: apoio para candidatura tucana na eleição de 2018 e no conselho de Ética do Senado para salvar o mandato de Aécio Neves, em um eventual processo.

Nesta segunda-feira, o PSDB se reúne para discutir o rompimento com o governo, mas deve adiar a decisão. 

O PSDB tem, hoje, dois principais pré-candidatos à Presidência: o governador Geraldo Alckmin e o prefeito de São Paulo, João Doria.

Temer procurou Alckmin há duas semanas para pedir ao governador que desmobilizasse a debandada do PSDB de São Paulo. Alckmin tem trabalhado neste sentido. 

No caso do conselho de ética, o Planalto sinaliza à ala tucana ligada a Aecio Neves que, em troca de apoio, pode trabalhar contra a cassação do mandato do senador, gravado em delação da JBS e denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. 

Aécio foi denunciado ao STF por corrupção passiva e obstrução de Justiça. 

Mas, para manter o PSDB no governo, Temer sinaliza aos tucanos que trabalhará para evitar a cassação de Aécio.

Um dos principais interlocutores de Temer no Senado é Romero Jucá, líder do governo no Senado - que também é presidente do PMDB.

O presidente do conselho de ética é do PMDB - o senador João Alberto, aliado de Jucá, Temer e José Sarney. 

Alberto já tem sinalizado a senadores que pode protelar o processo de cassação de Aecio.


Nenhum comentário:

Postar um comentário