quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Pai sorteia caixa de açaí para custear testes do filho na base do Fla em Mossoró

Vigilante Geokleber Veloso faz campanha para levar filho Gabriel ao Rio de Janeiro (Foto: Arquivo pessoal)

Como muitas crianças Brasil afora, o sonho de se tornar jogador de futebol é latente e o talento de Gabriel Veloso, que mora em Apodi, cidade que fica a cerca de 340 km de Natal, conseguiu chamar a atenção de um olheiro para testes nas categorias de base do Flamengo. Pai do garoto, o vigilante Geokleber Veloso se vira como pode na tentativa de transformar o sonho do filho de 8 anos em realidade. Sem condições financeiras para bancar a ida ao Rio de Janeiro, resolveu organizar uma rifa de uma caixa de açaí para ajudar nas despesas da viagem - que custará cerca de R$ 3,5 mil - e anunciou a campanha por uma rede social.


- Nós precisamos levantar uma quantia boa para comprar as passagens e nos mantermos lá no Rio. Ainda tem o deslocamento até o local onde ele vai passar pela avaliação, então fica pesado para mim. Foi aí que eu tive a ideia de rifar alguma coisa entre o pessoal da família e os amigos mais próximos para me ajudar a conseguir pagar tudo - disse Geokleber em entrevista ao GloboEsporte.com.

Gabriel hoje se encontra dentro da faixa etária que interessa aos clubes que buscam novos talentos. Depois de passar por algumas escolinhas de Apodi, foi "descoberto" durante um amistoso em Mossoró contra a escolinha do Flamengo no início do ano. Logo depois, participou de um torneio entre as escolinhas do Flamengo de Natal e Mossoró, onde cerca de 180 crianças participaram, quando foi selecionado para os testes no Rio de Janeiro. Responsável por acolher o menino e proprietário da escolinha em Mossoró, o empresário Ricartte Fernandes demonstra entusiasmo ao falar da história do garoto.

- Gabriel é totalmente diferenciado. A facilidade dele com a bola nos pés chama a atenção. O grande diferencial dele é que já joga de cabeça erguida, olhando o campo inteiro e tem a leitura de jogo de um garoto de 15 anos. Tanto que, na competição em Natal, foi escolhido para os testes no Flamengo logo que pegou na bola - conta o empresário.

Apesar da proximidade com Mossoró - Apodi fica distante 80 km -, o menino Gabriel enfrenta dificuldades para estar presente em todas as atividades da escolinha. Às vezes, o pai não pode levá-lo para os treinos - cada ida custa em média R$ 40 - e nem sempre tem condições financeiras para participar das viagens da escolinha para as competições da categoria.

- Quando ele (Gabriel) chegou aqui, não tinha condições de comprar o uniforme de treino, então as mães dos outros meninos se uniram e compraram. E quando vai chegando perto das competições, os pais se juntam e pagam para que ele também vá, porque é o principal jogador do time - emendou Ricartte.

Essa será a segunda ida de Gabriel ao Rio de Janeiro. No ano passado, o garoto participou de um período de testes nas categorias de base do Vasco. Foi aprovado, mas, devido à necessidade de comparecer ao clube periodicamente para avaliações, os pais, sem condições de custear as idas ao Rio, foram forçados a desistir do sonho. Dessa vez, Geokleber espera que a história tenha um desfecho feliz. Isso porque, caso seja aprovado nos testes, Gabriel poderá realizar as avaliações periódicas na Escolinha do Fla em Mossoró, bem mais perto e com custo de deslocamento menor para a família.

Nas redes sociais, a campanha tem ganhado força (veja a postagem do pai do garoto). As rifas para ajudar a ida de Gabriel ao Rio de Janeiro custam R$ 2 e estão à venda até o dia 23 de setembro, quando Geokleber espera ter atingido o valor necessário para a viagem.

*G1 RN


Nenhum comentário:

Postar um comentário