segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Temer indica superintendente do Cade ligado a senador denunciado

O presidente Michel Temer indicou na semana passada o nome de Alexandre Cordeiro Macedo para a superintendência-geral do  Conselho Administrativo de Defesa Econômica, o Cade.

O nome de Macedo foi encaminhado ao Senado para ser apreciado. A indicação está publicada no "Diário Oficial da União" de sexta-feira (8). 

Macedo é ligado ao PP, e, segundo fontes do Planalto, seu nome foi uma exigência do partido e avalizado pelo senador Ciro Nogueira (PI) e pelo líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PB). 


Ciro Nogueira é presidente do PP. No fim de 2016, o senador foi denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por corrupção e lavagem de dinheiro, no âmbito da Lava Jato. 

No começo do mês, Janot apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a primeira denúncia na corte que aponta integrantes de um partido político, o PP, como participantes de uma organização criminosa para desviar dinheiro da Petrobras.

A superintendência do Cade é um posto de muito poder. Entre outras atribuições, o Cade é responsável por julgar e punir administrativamente, em instância única, pessoas físicas e jurídicas que pratiquem infrações à ordem econômica. 

Também é responsável por conduzir investigações e negociar acordos de leniência.

Ciro Nogueira admitiu que "a origem" de Macedo era de ligação com o PP,  mas disse "não ter sido comunicado" da indicação para a superintendência".

"Ele trabalhou no Ministério das Cidades com Aguinaldo Ribeiro, foi secretário-executivo, figura muito voltada para esse lado, ele tem formação em Harvard. Na época, como conselheiro, nós fizemos a indicação. Mas, agora, não tenho participação como superintendente. De qualquer forma, na origem, ele era uma pessoa ligada a gente. Não sabia que tinha saído este ato". 

Na semana passada, o jornal O Globo publicou uma reportagem relatando que Joesley Batista afirmou ter uma gravação de ‘Ciro’ dizendo que vai derrubar a Lava-Jato. A referência, segundo a reportagem, seria ao senador Ciro Nogueira. 

Segundo "O Globo, Joesley Batista criticou "Ciro" que teria prometido facilidades para que ele usasse a Funcef, um dos maiores fundos de pensão do país, em seus negócios, mesmo em meio a investigações contra a empresa. Além disso, Ciro teria falado em "nomear gente do Cade, presidente da Vale" num momento considerado inadequado por Joesley.

Pressão 

Segundo fontes do governo, o PP pressionou a nomeação de Macedo e desbancou a candidata do ministro Torquato Jardim (Justiça), Amanda Athayde.

O nome de Macedo ainda precisa passar pela Comissão de Assuntos Econômicos. Se aprovado, ele irá cumprir um mandato de dois anos.

Para garantir a indicação de Macedo, o PP chegou a ameaçar derrubar o nome de Amanda na CAE.

*G1


Nenhum comentário:

Postar um comentário