GOVERNO RN

sábado, 21 de outubro de 2017

'Era ótimo aluno', diz funcionária de escola sobre adolescente que atirou contra colegas em sala de aula

Servidora diz que garoto, que estudava na escola desde os 5 anos, tinha notas excelentes e participava bastante das atividades do colégio. Tiros deixaram 2 estudantes mortos e 4 feridos.
 Colégio Goyases, Goiânia, Goiás (Foto: Sílvio Túlio/ G1) Colégio Goyases, Goiânia, Goiás (Foto: Sílvio Túlio/ G1)
Colégio Goyases, Goiânia, Goiás (Foto: Sílvio Túlio/ G1)


Uma funcionária do Colégio Goyases disse que o estudante que matou dois colegas a tiros e feriu outros quatro dentro da sala de aula, nesta sexta-feira (20), em Goiânia, não tinha problemas disciplinares. Segundo a servidora, que preferiu não se identificar, o adolescente de 14 anos estudava na unidade desde bem pequeno, nunca havia se envolvido em qualquer tipo de confusão e era bastante participativo.
“Ele era ótimo aluno, tinha notas excelentes e uma letra perfeita. Está conosco desde os 5 anos e o irmão dele, que tem 7, também estudava aqui. A família dele também era muito parceira e participava bastante das atividades da escola", afirmou ao G1.
No final da tarde, a instituição fixou uma faixa no portão da escola com os dizeres: "Família Goyases em luto".
O crime aconteceu na manhã de sexta-feira (10). Além das mortes de João Vitor Gomes e João Pedro Calembo, ambos de 13 anos, outros quatros alunos, da mesma sala, foram baleados e estão internados (veja quadros clínicos abaixo).
Aluno atira em colegas dentro de escola em Goiânia, mata dois e fere quatro - atualizado (Foto: Editoria de Arte/G1) Aluno atira em colegas dentro de escola em Goiânia, mata dois e fere quatro - atualizado (Foto: Editoria de Arte/G1)
Aluno atira em colegas dentro de escola em Goiânia, mata dois e fere quatro - atualizado (Foto: Editoria de Arte/G1)
O que se sabe até agora:
Sequência de fatos:
Colegas relatam que ouviram um barulho.
Em seguida, os alunos viram o adolescente tirando a arma da mochila e atirando
Alunos correram para fora da sala de aula
O aluno descarregou um cartucho, carregou o segundo e deu um tiro, mas foi convencido pela coordenadora a travar a arma
Estudante foi levado para a biblioteca até a chegada dos policiais

Bullying
O coronel da Polícia Militar Anésio Barbosa da Cruz informou que o autor dos disparos era alvo de chacotas de colegas. “Ele estaria sofrendo bullying, se revoltou contra isso, pegou a arma em casa e efetuou os disparos”, disse.
Um aluno de 15 anos, que estava na sala no momento do tiroteio, também contou que o adolescente era vítima de piadas maldosas.
"Ele sofria bullying, o pessoal chamava ele de fedorento, pois não usa desodorante. No intervalo da aula, ele sacou a arma da mochila e começou a atirar. Ele não escolheu alvo. Aí todo mundo saiu correndo", relatou o estudante.
Adolescente suspeito de efetuar disparos está apreendido, em Goiânia (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera) Adolescente suspeito de efetuar disparos está apreendido, em Goiânia (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)
Adolescente suspeito de efetuar disparos está apreendido, em Goiânia (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)
Feridos
Três alunos que ficaram feridos estão internados no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Outra menina baleada foi levada ao Hospital de Acidentados.
Hyago Marques – 13 anos - Foi atingido no tórax com menor gravidade e não precisou passar por cirurgia. Ele respira normalmente, está acordado, conversando e internado na enfermaria.
Isadora de Morais – 14 anos : Internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hugo. Ela levou um tiro no tórax que perfurou o pulmão, passou por uma cirurgia para drenagem do tórax e está em estado grave, na UTI e respirando com ajuda de aparelhos. Ela ainda corre risco de morte.
Lara Fleury Borges – 14 anos - Está internada na enfermaria do Hospital dos Acidentados em estado estável e repirando espontaneamente.
Marcela Rocha Macedo – 13 anos - Ela também foi baleada no tórax, teve o pulmão esquerdo perfurado, passou por cirurgia e está internada na enfermaria. Paciente está consciente e respirando sem aparelhos.

Columbine e Realengo
Segundo a Polícia Civil, o garoto contou que se inspirou nos massacres de Realengo, no Rio de Janeiro, e de Columbine, nos Estados Unidos.
"Ele disse que vinha sofrendo bullying, ou nas palavras dele, que um colega estava amolando ele. Inspirado em outros casos, segundo ele como os de Columbine e o de Realengo, ele decidiu cometer esse crime. Ele ficou dois meses planejando a ação", disse o delegado Luiz Gonzaga Júnior, titular da Delegacia Estadual de Apuração de Atos Infracionais (Depai).
Funcionários da escola levaram o autor dos disparos para a biblioteca para aguardar a chegada dos policiais. Ele foi apreendido e levado para a Depai, onde contou que atirou primeiro contra João Pedro porque ele fazia bullying com o suspeito.
O delegado disse que a tragédia poderia ser ainda maior se um professor não interviesse, pois o adolescente tinha mais munição.
“Ele ia matar todo mundo. Levou dois carregadores para a escola. Descarregou o primeiro, carregou o segundo, deu um tiro, mas foi abordado pela coordenadora. Ela o convenceu a travar a arma”, disse Júnior.
Filho de policiais militares, o adolescente atirou com uma pistola .40, que é de uso da PM. A arma pertence à mãe dele.


Nenhum comentário:

Postar um comentário