segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Presídios do RN serão inspecionados a partir desta semana



Os presídios do Rio Grande do Norte serão inspecionados, a partir desta semana, por uma missão conjunta de combate à tortura liderada pelo Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT) – órgão da União independente, mas que funciona em conjunto com o Ministério dos Direitos Humanos – e pelo Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, do Ministério da Justiça. A iniciativa foi oficializada por meio de um edital assinado pelo juiz corregedor Fábio Ataíde Alves.


Em março de 2017, o MNPCT realizou visita a locais de privação de liberdade do estado. Como resultado, foi elaborado relatório e foram emitidas recomendações. Na ocasião, o documento chamou a atenção pelas informações de que 71 presos estariam desaparecidos no estado e que o número de mortos no massacre de Alcaçuz poderia se aproximar de 100. O relatório também constatou condições insalubres em vários presídios do estado e a existência de 3 mil armas à espera de perícia.

Agora, o objetivo principal é realizar o monitoramento das medidas adotadas quanto aos serviços penais, em especial ao sistema penitenciário, tendo em vista as recomendações emitidas no relatório de 2017.

“Recebemos muitas denúncias, por exemplo, em direção aos Centros de Detenção Provisória. Mas a Corregedoria Geral de Justiça, mesmo antes dessa inspeção, já estava apurando as informações”, ressalta o juiz corregedor Fábio Ataíde, ao destacar que a Cadeia Pública de Natal tem quase o dobro de presos do que o limite previsto.

Inspeção

De acordo com o edital (001/2018), todo o trabalho será feito pelo MNPCT e pelo Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, com o auxílio dos órgãos do sistema de Justiça do Rio Grande do Norte, do Poder Executivo e da sociedade.

O auxílio pelo Estado do Rio Grande do Norte deverá compreender a liberação do acesso a todos os locais de privação de liberdade públicos ou privados, assim como a todas as instalações e equipamentos destes estabelecimentos; acesso a todas as informações e registros relativos ao número, à identidade, às condições e ao tratamento conferido às pessoas privadas de liberdade.

Fonte: G1/RN


Nenhum comentário:

Postar um comentário