segunda-feira, 4 de junho de 2018

‘Sempre optei em governar para os que mais precisam’, diz Robinson Faria



Transcrevemos neste espaço a entrevista do Governador do RN, Robinson Faria, concedida ao jornalista Bruno Barreto e publicada no seu blog no último domingo.

Do Blog do Barreto

Nosso entrevistado desse domingo é o governador Robinson Faria (PSD). Na conversa ele faz um balanço da administração e fala da tentativa de reeleição. O chefe do executivo estadual afirma que faz uma gestão que quebra paradigmas, que governa para os mais pobres e garante deixar nas mãos do povo a decisão sobre a reeleição.


Blog do Barreto: Vamos começar falando de administração. Nas entrevistas o senhor sempre costuma dizer que faz um governo que está quebrando paradigmas. Quais são?

Robinson Faria: São vários, mas eu vou listar alguns que considero bem ilustrativos. O primeiro foi ter montado uma equipe de secretários eminentemente técnica, em detrimento de escolhas políticas que são as mais comuns. Um outro paradigma foi que sempre optei em governar para os mais fracos, os que mais precisam. Criar programas e ações de Governo que atendam aos mais necessitados, como o Transporte Cidadão, o Microcrédito Empreendedor e os Restaurantes Populares. Só sabe o valor destes programas quem realmente precisa. Posso citar também a ousadia das escolas de tempo integral, que hoje já são 49 escolas. Antes, não existia nenhuma. Ousadia no sentido de que é complexo montar e manter este tipo de escola, mas enfrentamos o desafio e conseguimos. E a retomada de grandes obras como a barragem de Oiticica, no Seridó, o Saneamento e a avenida Moema Tinoco em Natal, por si só uma ousadia pelo alto valor destas obras. Como falei, são vários exemplos.

Blog do Barreto: O senhor tem perspectiva de pôr o salário em dia neste semestre?

Robinson Faria: A gente trabalha dia e noite com esta perspectiva. Temos feito um trabalho contínuo de ajustes na despesa primária e estamos também na expectativa de que a economia volte a crescer, como inclusive já está ocorrendo. Temos buscado fontes extras de recursos, como empréstimos e antecipação de receitas. O que está mais próximo de se concretizar é a antecipação de royalties. Com isso iremos ao Banco do Brasil buscar receitas extraordinárias provenientes dessa natureza. Vale ressaltar que estes recursos serão consignados integralmente para a previdência pública, para o IPERN ter destinações de cobertura de déficits dos servidores inativos e pensionistas. Estamos focados de forma absoluta, toda nossa equipe econômica está concentrada num esforço para que o estado volte a ter equilíbrio fiscal. De 2015 pra cá, todos sabemos, o país ingressou numa crise macroeconômica brutal e histórica, o que impactou fortemente nas receitas. Hoje já conseguimos pagar 87% da folha praticamente em dia, ou seja, de 111 mil servidores, 98 mil são pagos praticamente sem atraso. Os 23 mil servidores da Educação, Detran, Ipern, Idema e DEI já recebem o salário dentro do mês trabalhado. E os servidores da área de segurança da Sesed, Sejuc, PC, PM, CBM, Itep, GAC e Vice-Gov (ativos, inativos e pensionistas PM e CBM) já têm recebido em média por volta do quinto dia útil do mês seguinte. Posso afirmar que esta situação já foi grave, e hoje está quase sendo sanada. E quero dizer ainda que, tudo isso, é fruto de uma decisão que tomei ainda em 2015, quando me foi sugerido demitir 20 mil servidores (e a Lei me permitia fazer isso). Eu optei por não tirar o emprego de milhares de pais de família e enfrentar o desgaste de correr pra colocar a folha em dia. Prefiro o pai de família recebendo atrasado, do que sem emprego. Não me arrependo. E vamos vencer esta crise. Já estamos vencendo.

Blog do Barreto: A Segurança é considerado o maior problema do Rio Grande do Norte. O que tem sido feito?

Robinson Faria: A questão da Segurança não é problema apenas do Rio Grande do Norte, é um problema nacional, e crônico. É fruto de anos e anos de fronteiras mal vigiadas e de falta de prioridade do Governo Federal em priorizar esta área, o que transformou as facções em entidades poderosas, que se espalham pelo país. As facções hoje têm mais dinheiro que os grandes bancos, são verdadeiras empresas do crime. E isso chega na ponta, nos Estados, que estão às voltas com a crise financeira que abalou a economia do país e não conseguem acompanhar o ritmo das facções. Mesmo assim, com toda dificuldade, nós temos enfrentado a crise da insegurança e não paramos um só dia de combater o crime organizado. Criamos a Ronda Integrada, compramos armamentos e mais de 500 viaturas, promovemos policiais. É uma guerra sem trégua, diária, e determinei tolerância zero. Tudo o que podemos fazer estamos fazendo, investindo em inteligência e em estratégias. É uma guerra longa. Mas vamos vencer.

Blog do Barreto: Qual o maior desafio para o senhor nesses pouco mais de seis meses de mandato que ainda restam?

Robinson Faria: Estabilizar os índices de violência que, como falei, são fruto de um problema crônico nacional. Quando explode um banco aqui, não é gente daqui, é crime organizado, querendo fazer dinheiro para o tráfico de drogas. O crack, onde chega, destrói famílias. É uma guerra. Mas, assim como fizemos com Alcaçuz, que de uma rebelião que foi manchete na CNN virou um case nacional em gestão prisional, vamos conseguir sim em algum momento estabilizar os índices da área de segurança. Todos os dias isso ocupa parte do meu trabalho como gestor do estado. Investimos hoje 15% do orçamento em segurança, é o maior já feito no estado.

Blog do Barreto: Para Mossoró, qual avanço o senhor destaca em sua gestão?

Robinson Faria: Eu sempre tive uma relação muito especial com Mossoró e com sua gente. Mossoró pra mim é a segunda capital do estado, eu sempre afirmei isso. Nosso governo já realizou bastante por Mossoró. Fizemos um investimento de R$ 1,4 milhão num tomógrafo para o Tarcísio Maia. Antes não existia tomógrafo em funcionamento da rede pública. O Estado era obrigado a contratar o serviço na rede privada. Hoje temos plantão permanente de neurocirurgia. Estamos aumentando de 9 pra 30 leitos de UTI e mais 36 leitos de internação. Antes não existia ortopedia plena na rede pública, e uma pessoa que quebrasse a perna em Mossoró precisava ser transferida pra Natal. Hoje trata em Mossoró, não precisa mais ir pra Natal. As neurocirurgias eletivas estão habilitadas desde setembro de 2017 no Wilson Rosado, que por sinal está recebendo 10 leitos de UTI clínica e 5 leitos de clínica médica. São leitos contratados e que funcionam como extensão do Tarcísio Maia até que as obras de ampliação da UTI sejam concluídas. Fizemos investimento em ortopedia de R$ 10 milhões, e hoje fazemos uma média de 98 cirurgias por mês. E o que dizer do trabalho do Governo pelo Aeroporto? Mossoró finalmente vai ter uma linha aérea regular, com a Azul, que só está vindo por causa da reforma e das adequações. Nós transformamos o aeroporto de voos privados em aeroporto de voos comerciais. E nós só garantimos o incentivo depois que eles se comprometeram com o voo fixo. Foram 6 meses de trabalho e investimento de R$ 2 milhões para reestruturar o aeroporto. Posso falar das 3 escolas de tempo integral, do centro de educação profissional, da adutora Jerônimo Rosado, que garantiu água pra 30% da cidade, dos novos poços perfurados, do esgotamento sanitário do Abolição III, em parceria com a prefeita Rosalba. Bombas novas que adquirimos, pra substituir as velhas e isso fazia faltar água em muitos bairros de Mossoró. É muita coisa. Quando eu disse que priorizaria Mossoró, eu não falei por falar, e estamos cumprindo. Inauguramos mais dois restaurantes populares e um café cidadão. Só sabe o valor de uma refeição a 1 real quem precisa. Pode acreditar nisso. Trouxemos a Ronda Integrada, 4 polícias juntas, no difícil combate à criminalidade, e os números já melhoraram. Já iniciamos a grande reforma do Teatro Lauro Monte, abrimos o Escritório do Empreendedor e estamos fazendo a maior obra de saúde da história de Mossoró, o Hospital da Mulher, que vai beneficiar pacientes de 62 municípios e 20 mil mulheres por ano. Sim, respondendo a sua pergunta, tivemos avanços para Mossoró. E olha que eu fiz um resumo.

 Robinson Faria: O senhor se sentiu sem apoio da bancada federal nesses quase quatro anos de mandato?

Robinson Faria: Boa parte da bancada sempre me acompanhou nas audiências, inclusive sempre presente o deputado Beto Rosado nas audiências. Sempre tive apoio, na medida do possível.

Blog do Barreto: Sua candidatura a reeleição vem sendo colocada em dúvida, mas o senhor vem formando um grupo com partidos médios e pequenos além do cortejo ao PSDB. O senhor depende de alguma aliança para ser candidato?

Robinson Faria: Se a minha história política dependesse somente de apoios pra ser candidato, você agora não estaria me entrevistando como governador. Mas os apoios políticos são sim importantes e é claro que quem quer ser candidato deve buscá-los, num entendimento amplo e que some forças. Mas isso será feito no momento devido. Agora meu foco é vencer a crise, uma crise nacional e que só agora, no meu último ano de mandato começou a arrefecer. Governei 4 anos com a crise batendo na porta. Trabalho todos os dias focado em gestão. E nunca faltei a um dia sequer de trabalho.

Blog do Barreto: Se uma eventual candidatura a reeleição estiver inviabilizada o senhor se entenderia com adversários para salvar o mandato de Fábio Faria?

Robinson Faria: Quem inviabiliza eleição é o povo, só ele pode decidir se uma candidatura é ou não viável. E o que eu ouço nas ruas é bem diferente do que muitos publicam ou falam. Costumo dizer sempre o seguinte: nunca subestimem a minha capacidade de enfrentar desafios.

Blog do Barreto: Em Mossoró, o senhor tem plano B caso não firme aliança com a prefeita Rosalba?

Robinson Faria: A pessoa que disser que não quer o apoio do grupo da prefeita Rosalba em Mossoró, sinceramente, não estará sendo 100% sincera. Mas tudo na vida precisa ser construído com paciência e com humildade, com diálogo, com bases bem construídas. No momento certo acredito que tudo se encaixa. Em Mossoró tem de ter Plano M (M de Mossoró) e não Plano B. Tem que ser bom para Mossoró, e eu acredito nisso. É justo.

Blog do Barreto: Voltando à administração qual o legado que o senhor pretende deixar para o RN?


Robinson Faria: O governo que enfrentou e venceu a crise. Antigamente governar era escolher onde investir, onde gastar. Desde o primeiro dia que eu assumi, a crise nacional nos obrigou a escolher o que podia pagar. Isso faz toda a diferença. Deixarei o legado de grandes obras estruturantes (Anel Viário, Moema Tinoco, Saneamento da capital, 49 escolas de tempo integral, o novo Aeroporto de Mossoró todo reformado, adutoras como a nova Jerônimo Rosado), da estrada do Melão de Baraúna e a da Castanha de Serra do Mel, um sonho de muitas décadas. Da descentralização da saúde e as dezenas de leitos de UTI por todo o estado, dos restaurantes populares, da volta da força do Turismo, do resgate do sistema prisional, enfim, um governo que enfrentou e venceu a crise.




Nenhum comentário:

Postar um comentário