Cacim



Conforme adiantado em entrevistas e declarações à imprensa, Tião Couto (PR), candidato a vice-governador na chapa de Robinson Faria (PSD), divulgou uma carta onde explica os motivos pelos quais decidiu aceitar o convite para ser vice do candidato à reeleição.

Segue abaixo a carta na íntegra:

Durante anos, abstive-me de participar da cena política do Rio Grande do Norte por crer que a minha situação empresarial era suficiente e, como gerador de empregos, já cumpria o meu papel social e cidadão. Mas tudo é política. Quando se cria um conselho comunitário para gerar melhorias em um bairro, isso é política. Quando se mobiliza a comunidade para ajudar vítimas de alguma desastre natural, isso também é política. Assim, percebi que, para melhorar a situação do meu estado, dos municípios, não havia outro caminho, senão a política.

Fui convidado por Robinson Faria para somar com o governo, não para ajudar a eleger um mero projeto pessoal de manutenção no poder. Inicialmente, fiquei reticente, porém, ao analisar o programa de governo de Robinson Faria, que contempla propostas concretas para reerguer o nosso estado, percebi que estava sendo convocado para um projeto maior, de crescimento do Rio Grande do Norte.

Além disso, ao compreender as movimentações de clãs políticos tradicionais adversários, que sempre governaram o estado e pouco fizeram, com boicotes e artimanhas para voltar ao poder, tive a certeza de que não podia ficar alheio a isso e aceitei o convite. Hoje, sou o candidato a vice-governador, mas não para ser um vice-governador figurativo. Mas, ao contrário, recebi garantias de que serei coparticipante de um governo que vai fazer diferença. Somos parceiros do povo do Rio Grande do Norte.

Como empresário, sei o que fazer para reverter uma situação como essa, em que se encontra o estado, pois percorri diversas cidades, sem nenhuma conotação partidária, para justamente conhecer de perto as dificuldades do povo, os problemas e o que pode ser melhorado. Tenho experiência em gestão, tenho credibilidade e confiança do setor produtivo, que é o maior gerador de empregos e divisas desse estado. Se temos vontade de fazer, se temos apoio e se temos a liberdade garantida pelo governador Robinson, não há porque nos negar a essa responsabilidade, que não é só minha, mas de cada um dos norte-rio-grandenses.

Tião Couto



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem