segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Mais de 100 fogem do presídio de segurança máxima de João Pessoa



Mais de 100 detentos fogem de presídio de segurança máxima em João Pessoa

Cerca de 105 presos fugiram e 22 foram recapturados, segundo a SEDS.

Criminosos derrubaram o portão principal da unidade e trocaram tiros com policiais militares e agentes prisionais. Um PM foi baleado.

Cerca de 105 presos fugiram na madrugada desta segunda-feira (10) da Penitenciária de Segurança Máxima Romeu Gonçalves Abrantes, o PB1, em João Pessoa, segundo nota divulgada pela Secretaria de Estado de Defesa Social (SEDS). Até as 6h59, 28 detentos haviam sido recapturados, segundo a Secretaria de Administração Penitenciária.

O presídio tem capacidade para 660 presos e atualmente tinha 680 detentos.

Pessoas que moram perto da cadeia começaram a ouvir disparos e uma explosão pouco depois da meia-noite.

De acordo com informações da PM, cerca de vinte homens chegaram em quatro carros e dispararam várias vezes contra as guaritas, o alojamento e o portão principal, que foi derrubado após uma explosão.

Houve troca de tiros entre os bandidos e policiais militares e agentes prisionais.

Em outra ação, que acontecia no mesmo momento, um grupo fechou a rodovial estadual PB-008.

Um tenente da PM, de 36 anos, que tentava combater a ação, foi baleado na cabeça e levado ao Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa. Segundo o boletim do hospital, o tenente segue internado em estado de saúde grave.

A Polícia Civil investiga o caso, e as primeiras informações apontam que o objetivo era resgatar quatro homens que foram presos no mês passado em Lucena, na região metropolitana de João Pessoa, após um ataque a um carro-forte.

Eles são acusados de integrar uma quadrilha que atua em todo o país na explosão de caixas eletrônicos e carros-fortes.

Aulas canceladas

De acordo com o prefeito da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), foram canceladas as aulas do Centro de Informática (CI) e do Centro de Tecnologia e Desenvolvimento Regional (CTDR), localizados no campus do bairro de Mangabeira, em João Pessoa. As atividades do Núcleo de Processamento de Alimentos (NUPPA) e do Laboratório Interdisciplinar de Ensino, Pesquisa e Extensão (LIEPE), na mesma unidade, também foram suspensas.

O prefeito explicou que a decisão da suspensão aconteceu para reforçar a segurança na universidade, já que o campus fica localizado em uma área de mata.

G1/PB



Nenhum comentário:

Postar um comentário