segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Bolsonaro omite da Justiça Eleitoral R$ 2,6 milhões em bens, segundo cartórios


O candidato do PSL à presidência da República, Jair Bolsonaro, omitiu de sua prestação de contra à Justiça Eleitoral duas casas cujos valores, somados, totalizam R$ 2,6 milhões. A constatação teve origem no cruzamento de informações de cartórios do Rio de Janeiro com a declaração de bens do deputado para fins de disputa eleitoral, segundo levantamento veiculado pelo jornal O Globo.

A publicação diz ter solicitado esclarecimentos de quatro assessores de Bolsonaro, e que nenhum deles atendeu aos pedidos. A reportagem informa que Bolsonaro e sua esposa em 2002, Ana Cristina Siqueira Valle, adquiriram um imóvel na rua Maurice Assuf, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Segundo processo de partilha de bens instaurado em 2008, quando o casal se separou, a casa foi avaliada em R$ 1,6 milhão – o divórcio resultou em acusação a Bolsonaro, como mostra reportagem de capa da revista Veja desta semana, de furto de R$ 600 mil de um cofre o casal, além de omitir patrimônio.


Uma consulta nos registros de imóveis em dois cartórios do Rio confirmou que a propriedade, relacionada pela ex-esposa de Bolsonaro no processo a que Veja teve acesso, de fato foi comprada pelo casal em 22 de novembro de 2002. Mas a propriedade não foi incluída em declaração de bens de Bolsonaro em sua campanha para a Câmara em 2006.

"Naquele ano, ele informou patrimônio de R$ 433,9 mil, entre os veículos Pajero, Golf e micro-ônibus, um lote no condomínio Limeira Tênis Clube, em Resende (RJ) e uma sala comercial no centro do Rio. Após a separação, o deputado tornou-se o único dono do imóvel e o vendeu em setembro de 2009", informa a reportagem assinada por Hudson Corrêa, Carolina Morand e Waleska Borges.

"Alguns meses antes, em 21 de janeiro de 2009, Bolsonaro comprou a casa 58 num condomínio de frente para o mar. Ele declarou ao Registro de Imóveis ter pago R$ 400 mil. A guia do imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) mostra que a casa tem preço de mercado de R$ 1,05 milhão", acrescenta o jornal.

Já na campanha de 2010, acrescenta a reportagem, Bolsonaro declarou um total de bens de R$ 826 mil e sequer faz menção à casa. Apenas nas eleições de 2014 o imóvel foi incluído na relação patrimonial, depois que a imprensa começou a fazer questionamentos e levantar dúvidas sobre as declarações de bens do deputado.

O jornal cruzou bens declarados por Bolsonaro à Justiça Eleitoral com o patrimônio considerado no processo de partilha. "O presidenciável omitiu dos eleitores nove dos 17 bens listados na ação movida por Ana Cristina Valle. Ela anexou ao processo cópias das declarações de imposto de renda do ex-marido", finaliza a reportagem.

Congresso em Foco




Nenhum comentário:

Postar um comentário