terça-feira, 20 de novembro de 2018

Bolsonaro diz que Petrobras pode ser privatizada 'em parte'


O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou na segunda-feira (19) que "parte" da Petrobras pode ser privatizada. Bolsonaro deu a declaração ao ser questionado sobre o assunto durante uma entrevista no Rio de Janeiro.

"Nós estamos conversando sobre isso aí. Eu não sou uma pessoa inflexível. Mas nós temos que, com muita responsabilidade, levar avante um plano como esse aí. Eu vi lá atrás com muito bons olhos a questão da Embraer. Nós podemos conversar, tá certo? Mas entendo como um empresa estratégica que pode ser privatizada em parte", afirmou.


Ainda na campanha eleitoral, Bolsonaro afirmou à GloboNews que privatizará a Petrobras "se não tiver solução". "Acaba com esse monopólio estatal e ponto final", disse ele na ocasião.

'Carta branca' de Paulo Guedes

Durante a entrevista Bolsonaro também comentou a indicação de Roberto Castello Branco para a presidência da Petrobras.

Segundo o presidente eleito, Castello Branco foi indicado pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, que tem "carta branca" para definir a equipe econômica.

"[Castello Branco] é uma indicação do Paulo Guedes. Eu estou dando carta branca a ele. Tudo que é envolvido com economia é ele que está escalando o time. Eu só, obviamente, e ele sabe disso, estamos cobrando produtividade. Enxugar a máquina e buscar, realmente, fazê-la funcionar para o bem-estar da nossa população", declarou Bolsonaro.

Na semana passada, o presidente eleito já havia dito que Paulo Guedes foi quem indicou o nome de Joaquim Levy para a presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Ivan Monteiro no BB

Atual presidente da Petrobras, Ivan Monteiro pode assumir a presidência do Banco do Brasil,

Questionado sobre o assunto, Bolsonaro afirmou que "talvez" isso aconteça, mas a decisão ainda não foi tomada.

"Quem está botando é o Paulo Guedes e eu estou avalizando. Talvez o Banco do Brasil, mas eu não tenho certeza", ressaltou o presidente eleito.

G1




Nenhum comentário:

Postar um comentário