governo

sábado, 22 de dezembro de 2018

Crispiniano aposta em projetos aprovados no Banco Mundial para “salvar” cultura do RN


O poeta cordelista Joaquim Crispiniano Neto irá assumir pela terceira vez a direção geral da Fundação José Augusto (FJA), cargo correspondente ao de secretário de Cultura do Estado do Rio Grande do Norte. Aos 62 anos, ele terá como meta prioritária a reestruturação da FJA para fortalecer as políticas culturais locais da contemporaneidade.

Segundo ele, a situação da FJA é difícil devido à falta de recursos próprios desde o governo de Lavoisier Maia, quando foram vendidas as ações da Petrobras – adquiridas pelo ex-governador Aluízio Alves – que davam rendimento suficiente para fazer as políticas culturais do Estado.


A possibilidade de obtenção de recursos junto ao Banco Mundial ameniza o problema, diz Crispiniano. “Temos uma perspectiva de empréstimos junto ao Banco Mundial que não se tinha antes – pondera. Foi a partir governo Robinson Faria, em que eu e elaboradores de projetos conseguimos aprovar quase 40 projetos, e alguns já enquadrados dentro do programa RN Sustentável [hoje Governo Cidadão]”.

Com isso, lembrou Crispiniano, houve uma melhoria na estrutura voltada à cultura potiguar, como a reforma dos teatros Alberto Maranhão e Lauro Monte, Pinacoteca e Escola de Dança e biblioteca Câmara Cascudo, entre outros prédios. “No orçamento de 2019 para a FJA, que acaba de ser aprovado na Assembleia Legislativa, entraram mais R$ 4 milhões. É pouco, mas tem como ir tocando no dia a dia algumas atividades artísticas”, complementa.

Com relação à infraestrutura da cultura do Estado, Crispiniano acredita que os projetos aprovados junto ao Banco Mundial proporcionarão, na medida em que forem sendo liberados, um ritmo favorável à recuperação.

Crispiniano assumiu a Fundação José Augusto em fevereiro de 2007, durante a gestão da governadora Wilma de Faria, e seguiu até abril de 2010, quando assumiu o ex-governador Iberê de Souza. Depois disso, o diretor geral da FJA voltou à instituição, desta vez na gestão do atual governador Robinson Faria (PSD), substituindo Rodrigo Bico no cargo. No segundo semestre de 2016, Crispiniano e demais secretários petistas que integravam o governo pediram afastamento do cargo, após o PSD manifestar apoio ao impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

Agora RN



Nenhum comentário:

Postar um comentário