segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Ex-chefe de gabinete de Bolsonaro doava mais que o próprio salário aos filhos do presidente eleito


A suspeita do Ministério Público de que a família Bolsonaro se beneficiou de um esquema de contribuições a partir de nomeações no Legislativo ganhou mais um desdobramento no último fim de semana. E não apenas devido à atuação do policial militar Fabrício de Queiroz, ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL) que, segundo indícios identificados pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e apurados pelo MP, administrava uma espécie de caixinha de colaborações dos demais servidores  da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para o mandatário – o Coaf rastreou uma movimentação bancária de R$ 1,2 milhão, "atípica" para quem recebia um salário de R$ 8,5 mil.



Apuração da revista IstoÉ  feita nos gabinetes do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e de seus filhos revela uma prática semelhante ao esquema de caixinha de assessoria: funcionários do clã fizeram doações e prestaram serviços políticos para campanhas eleitorais dos Bolsonaro e, em alguns casos, os valores das contribuições ultrapassavam os próprios rendimentos de quem doava.

A reportagem publicada na edição deste fim de semana mostra o caso do capitão do Exército Jorge Francisco, que trabalhava com Jair Bolsonaro havia 20 anos, no gabinete do deputado do PSL em Brasília, e morreu em abril deste ano. Naquele mês, o presidente eleito deu uma pausa na agenda de compromissos para ir ao velório do amigo e funcionário.

O ex-servidor da Câmara teve papel determinante na eleição de Flávio Bolsonaro como vereador em 2002, diz a revista. A prestação de contas de Flávio naquele ano mostra que Francisco doou R$ 5,9 mil para a campanha do filho mais velho de Jair Bolsonaro. Esse foi, aliás, o valor total que o hoje deputado estadual declarou ter gasto em sua campanha – algo em torno de R$ 18 mil, em valores atualizados.

No ano seguinte, já como membro do gabinete de Bolsonaro em Brasília, Francisco recebia salário de cerca de R$ 15 mil por meio de um cargo de confiança. O assessor parlamentar feitas outras doações, em espécie, à família. Em 2004, foram R$ 10 mil (ou algo como R$ 22 mil, em valores de hoje) doados para a primeira eleição de Carlos Bolsonaro (PSL-RJ), o filho do meio – ou "02", como Bolsonaro gosta de dizer –, à Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Ao todo, Carlos recebeu R$ 34,5 mil em doações naquele ano, ou seja, Francisco deu cerca de 30% das doações.

"As informações apuradas por IstoÉ constam das próprias contas eleitorais. Em vários casos, servidores de Jair Bolsonaro foram responsáveis por doações, por meio de serviços ou em dinheiro em espécie, aos filhos desde quando eles começaram a disputar eleições, a partir de 2002. Ou seja, parece comum que servidores contratados por eles empregassem – obrigados ou não – o dinheiro proveniente de seus ganhos mensais no apoio político-eleitoral aos Bolsonaro", diz trecho do texto assinado por Wilson Lima.

Congresso em Foco


Nenhum comentário:

Postar um comentário