Notícias

Mourão diz que Brasil não participará de eventual intervenção dos EUA na Venezuela


O presidente em exercício, Hamilton Mourão, afirmou na quarta-feira (23) que o Brasil não participaria de uma eventual intervenção dos Estados Unidos na Venezuela. Segundo Mourão, não faz parte da política externa brasileira “intervir” em questões internas de outros países.

Mourão, que ocupa a Presidência em razão da viagem de Jair Bolsonaro à Suíça, deu a declaração após o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela e líder da oposição, Juan Guaidó, se declarar presidente interino do país e ser reconhecido pelos governos do Brasil e dos Estados Unidos, entre outros.


Como resposta, o presidente venezuelano Nicolás Maduro acusou os Estados Unidos de dirigirem uma operação para impor um golpe de Estado e anunciou o rompimento de relações diplomáticas e políticas com o país.

O presidente americano, Donald Trump, afirmou em comunicado que usaria "todo o peso do poder econômico e diplomático dos Estados Unidos para pressionar pela restauração da democracia venezuelana".

Segundo o jornal “O Globo”, os EUA informaram que consideram "todas as opções" se Maduro usar a força na Venezuela.

Mourão foi questionado por jornalistas sobre as “opções” citadas pelos EUA, que incluiriam uma intervenção na Venezuela, e descartou a participação do Brasil.

“O Brasil não participa de intervenção, não é da nossa política externa intervir nos assuntos internos de outros países”, afirmou Mourão.

Apoio financeiro

Mourão ressaltou que Bolsonaro e os presidentes de outros países optaram por não reconhecer o governo de Maduro em razão da “ilegitimidade da eleição” na Venezuela, marcada por denúncias de fraudes. Maduro tomou posse para um segundo mandato, com previsão de permanência até 2025.

O governo brasileiro anunciou a decisão por meio de uma nota do Ministério das Relações Exteriores, que registra que o país "apoiará política e economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social voltem à Venezuela".

Mourão foi indagado sobre como funcionaria esse apoio político e econômico. E disse que o apoio político foi a posição adotada por Bolsonaro, enquanto o apoio financeiro será dado "caso seja necessário" reconstruir a Venezuela.

O vice-presidente ainda informou que o Brasil mantém no momento relação "institucional" com militares venezuelanos, por meio dos ministérios da Defesa dos dois países.

Mourão também assegurou que o Brasil está “preparado” para lidar com um eventual aumento do fluxo migratório de venezuelanos em Roraima. Sobre o fornecimento de energia elétrica para o estado, feito pela Venezuela, o “plano de contingência” é utilizar termelétricas.

G1


Nenhum comentário