domingo, 31 de março de 2019

Casos de tuberculose crescem e Rio Grande do Norte registra 90 óbitos pela doença em 2018


Os números de casos registrados e de mortes pela tuberculose cresceram no Rio Grande do Norte em 2018, em relação ao ano anterior. Foram quase 2.000 casos e quase 100 óbitos, de acordo com dados da Sesap (Secretaria de Estado da Saúde Pública).

Conforme as informações, 1.922 casos de tuberculose foram notificados no estado no ano passado, frente 1.493 em 2017, 429 a mais. Os óbitos pela doença também aumentaram. Foram 90 mortes em 2018, diante de 64 no ano anterior, 26 a mais. Em 2019, 262 casos de tuberculose já foram registrados em todo o estado, sendo 4 óbitos pela doença.


A tuberculose é uma doença infectocontagiosa que pode ocorrer em qualquer região do corpo, sendo capaz de destruir o pulmão. Essa patologia é provocada pela bactéria Bacilo de Koch. A boa notícia é que se trata de uma doença totalmente curável.

O médico infectologista Fernando Chagas, do Hapvida, explica como ocorre a manifestação clínica da doença. “É preciso que o indivíduo tenha inalado uma quantidade considerável de bacilos que vai para o pulmão, surgindo, assim, os primeiros sintomas, como tosse, febre vespertina diária, tremores e perda de peso”, destaca.

A tuberculose pode ser diagnosticada por meio do exame de baciloscopia, onde é realizado uma análise do escarro, do teste rápido molecular e de exames como tomografia.

Fernando Chagas observa que o tratamento da tuberculose é longo, a partir de seus meses, e é capaz de curar a doença, se feito conforme orientação médica. “Para quem não tem HIV e nenhuma comorbidade o tempo é de seis meses. Já pessoas com diabetes e HIV o tratamento é feito em nove meses, podendo esse período ser estendido”, explica o infectologista.

O médico alerta que as pessoas que convivem com pacientes com tuberculose precisam estar atentos aos cuidados. “É preciso usar máscaras específicas que evitam que a bactéria entre no trato respiratório. Além disso, devem realizar exames constantemente para diagnosticar a presença ou não da doença, que pode ocorrer de forma latente”, ressalta.

Números – De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registrou 72 mil novos casos de tuberculose no ano passado. Em 2017, foram 73 mil. Entre os novos casos, 10,4% são presidiários, 8,7% pessoas com HIV, 2,5% população de rua e 1% indígenas, considerados de maior vulnerabilidade à doença. A tuberculose matou 4,5 mil pessoas em 2017 e 4,4 mil no ano anterior, no país. Os números de 2018 ainda não foram divulgados.


Nenhum comentário:

Postar um comentário