Sicredi

Potenciais “laranjas” receberam R$ 62 milhões nas eleições de 2018
Um cruzamento de dados feito pelo UOL com base em informações divulgadas pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) identificou 284 pessoas com indícios de que tenham sido “candidatos laranjas” nas eleições de 2018. São candidaturas em todo o Brasil e de um total de 24 partidos. Entre recursos públicos e privados, essas candidaturas movimentaram R$ 62 milhões. PRB e o PROS lideram esse ranking.
Procurado, o PROS não respondeu aos questionamentos enviados pela reportagem. O PRB disse que a responsabilidade por aplicação de recursos eleitorais é dos candidatos e criticou a cota de 30% para candidaturas de mulheres, dizendo que, os homens, “culturalmente”, participam mais de atividades políticas que as mulheres.
Uma “candidatura laranja” é aquela que tem pouca chance real de vencer a disputa, mas que é lançada mesmo assim para cumprir a cota mínima de 30% de mulheres nas eleições ou para redirecionar recursos de forma artificial. 

*Uol

Quando a intenção é a transferência de verba, o que normalmente ocorre é que um nome inexpressivo recebe um grande volume de dinheiro que depois é repassado, em forma de doação ou em material de campanha, para candidaturas consideradas mais viáveis.
Para identificar esses casos, o UOL utilizou o mesmo critério adotado pelo jornal Folha de S. Paulo. Foram selecionados aqueles que receberam mais de R$ 100 mil em repasses, mas que, ao fim das eleições, obtiveram menos de mil votos. 
O PROS teve o maior número de candidaturas com indícios de terem sido “laranjas”. Ao todo, foram 44 nomes identificados. O PRB, por sua vez, teve 31. O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, teve apenas um nome: Maria de Lourdes Paixão (PSL-PE). 
A lista de potenciais “candidaturas laranjas” é composta, majoritariamente, por mulheres, outro indício de que os partidos podem ter usado esses nomes apenas para cumprir a lei eleitoral, que determina um mínimo de 30% de candidaturas legislativas femininas por partido.
Dos 284 nomes identificados, 84% (241) são mulheres e 16% (43) são homens. 
Geograficamente, essas candidaturas estão distribuídas por todas as 27 unidades da federação. O Distrito Federal é o que tem o maior número de candidatos com essas características: 46. O Rio de Janeiro está em segundo lugar, com 29. 

Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem