segunda-feira, 11 de março de 2019

Sete pessoas morrem por complicações de tempestade na Grande SP


Ao menos sete pessoas morreram na Grande São Paulo entre a noite de domingo (10) e a manhã desta segunda-feira (11) em decorrência de uma tempestade.

Os casos concentram-se em Ribeirão Pires (2), em São Bernardo do Campo (1) e na capital paulista (2), segundo balanço atualizado do Corpo de Bombeiros, publicado em sua página no Twitter.

Em Ribeirão Pires (Grande SP), uma casa desabou por volta das 23h40 deste domingo e matou quatro pessoas. Outras duas pessoas que estavam soterradas foram socorridas pelo Samu (Serviço de Atendimento Médico de Urgência). A casa está localizada na rua Caiçara, na altura no número 100, no bairro Estância das Rosas.


Em São Paulo, o rio Tamanduateí transbordou e alagou vários pontos de seu entorno. Duas pessoas não resistiram à força da água e morreram por afogamento na região.

Os bombeiros disseram que as vítimas foram levadas pela água em dois pontos distintos da avenida do Estado. Uma quinta vítima também morreu afogada em São Bernardo do Campo (Grande São Paulo), no bairro Taboão.

As sete vítimas do temporal ainda não foram identificadas, segundo o Corpo de Bombeiros.

No bairro São Rafael (zona leste), o deslizamento de terra sobre uma casa atingiu uma mãe e duas crianças. Uma delas ficou ferida em estado grave e foi levada ao Pronto-Socorro de Sapopemba.

De acordo com Marcos Palumbo, porta-voz do Corpo de Bombeiros de São Paulo, a corporação foi acionada para 601 ocorrências relacionadas com a chuva entre domingo e esta segunda-feira (11). "A prioridade é atender todas as vítimas que estão em locais de difícil acesso e ilhadas dentro de veículos", informou.

Toda a capital foi colocada em estado de atenção, segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências). Houve o transbordamento do rio Tamanduateí, na avenida do Estado, e também do córrego da Mooca, na zona leste. A Prefeitura de São Paulo suspendeu o rodízio de veículos no período da manhã desta segunda-feira (11).

A capital amanheceu com pontos de alagamentos na Marginal Tietê, nas pontes do Limão, Piqueri e Dutra. A linha 10 - turquesa da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), que passa pelo ABC, está paralisada porque as estações e os trens estão tomados pela água. Não há previsão de normalização.

As principais vias de ligação do ABC com a capital sofreram alagamentos e muitos trechos foram interditados. Na rodovia Anchieta, na altura do km 13, em São Bernardo, as pistas centrais e marginais ficaram bloqueadas tanto no sentido capital quanto em direção ao litoral devido ao transbordamento do córrego Ribeirão dos Couros. Na Ayrton Senna, o tráfego apresentava lentidão em direção à capital paulista do km 23 ao km 11, por excesso de veículos.

Moradores e motoristas ilhados em carros foram resgatados por botes na região do Ipiranga (zona sul) e também no ABC. Segundo último balanço do Corpo de Bombeiros, houve 54 desabamentos ou deslizamentos e 34 quedas de árvores, em ações concentradas na região metropolitana de São Paulo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário