BANNER 1


Há alguns anos, os analistas de sistemas Artur Costa Iglezias de Paula, 30, e Victor Marcelino Dias dos Santos, 31, solteiros na ocasião, frequentaram algumas casas de swing por curiosidade. Nessas experiências, conheceram pessoas que reclamavam da falta de aplicativos para esse público. Os amigos não sabiam, mas, no futuro, essas experiências seriam o estopim para a criação do Swingar, app para reunir casais e solteiros interessados na prática de ménage e swing.

Tudo começou em 2017, quando Iglezias e Santos criaram um app voltado para propaganda de lojas físicas, inspirado nos pequenos lojistas da rua 25 de março, em São Paulo. A ideia acabou não dando o resultado esperado e foi deixada de lado. “O Swingar surgiu a partir da junção desse aplicativo com a necessidade dos praticantes do swing”, explica Iglezias.


Os sócios pontuam que, apesar do foco da ferramenta serem os casais interessados em swing, é bem comum no meio as pessoas procurarem por outros tipos de relacionamento ou para realizar fantasias sexuais.

Como funciona?

O Swingar oferece aos novos usuários 30 dias grátis para experimentar a ferramenta. Após esse período, é necessário aderir a um dos planos, que se dividem entre mensal, semestral e anual (de R$ 9,90 a R$ 14,90 por mês. Quanto mais longo o plano, mais barato). Passada a fase de teste, a ferramenta desativa algumas de suas principais funções, entre elas trocar mensagens nos grupos ou no privado com outros usuários e adicionar novos amigos.

O aplicativo conta com grupos por região, nos quais o usuário pode interagir livremente e, ao encontrar alguém com quem tenha afinidade, é permitido adicionar e continuar a conversa no modo privado. Além disso, há outros dois tipos de pesquisa: localização por estado e cidade. Nessas pesquisas é possível filtrar as pessoas cadastradas por categorias de interesse, que são preenchidos no perfil de quem adere ao app.

Com quase nove meses de existência, o Swingar conta com 50 mil downloads, número que os sócios veem como muito bom. “O resultado está sendo positivo, pois, conversando com alguns usuários, vemos que vários encontros aconteceram e novas amizades entre pessoas que praticam swing foram formadas”, diz Iglezias.

Visão do usuário do app

O empresário Thiago, que prefere não revelar o nome verdadeiro, 34, usa o aplicativo há cerca de sete meses. Mesmo comprometido, ele diz conversar com muitas pessoas, mas que saiu com apenas uma mulher, cujo marido também usa o Swingar, mas estava viajando no dia do encontro.

“Conheci o Swingar por meio de um amigo que frequenta casas de swing. Visitava locais como esse no passado, mas voltei a curtir o swing só agora porque o app facilita tudo. Não preciso sair. Gosto do aplicativo porque ele dá a possibilidade de localizar pessoas que estejam próximas a mim, com esse interesse em comum”, explica ele. No início, ele conta que penou um pouco para ir e voltar de algumas páginas e no menu do aplicativo. “Com o tempo, eu me acostumei. Ajudaria um pouco se os desenvolvedores simplificassem a interface do app.”

“Às vezes, quando eu ia a casas de swing sozinho o valor da entrada era muito mais caro do que quando ia acompanhado de uma mulher. Por isso, tinha que arranjar uma acompanhante para pagar mais barato. O app ajuda nisso também, porque você arruma uma parceira para ir à casa de swing com você e também pode fazer um swing sem precisar da casa”.

Universa – UOL


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem