Notícias

Como os consumidores de notícias lidam com as fake news e (às vezes) as ignoram


*Por Laura Hazard Owen, do Poder 360 

O fluxo crescente de relatórios e dados sobre notícias falsas, desinformação, conteúdo partidário e news literacy [saber diferenciar fato de ficção] é difícil de acompanhar. Este resumo semanal oferece o conteúdo que você pode ter perdido.

“Moradores estão entre verificar informações e desvincular-se de notícias para aliviar o estresse”. No International Journal for Communication, Andrea Wenzel, da Temple University, analisa como os consumidores –em 13 grupos focais em Califórnia, Indiana, Kentucky e Nova York– “encontram grandes quantidades de informações muitas vezes divergentes e desinformação sobre o Estado e seus cidadãos” (os grupos focais, formados por 58 integrantes, foram organizados em 2017. O apoio veio do Tow Center for Digital Journalism de Columbia, da qual Wenzel é membro).


Os trechos das conversas são fascinantes. Eis alguns:

Como um participante da Califórnia disse sobre os legados dos meios de comunicação, desde a Fox até o LA Times, “é difícil dizer se é sua opinião ou se é uma notícia.. até mesmo os fatos são opiniões”. Para alguns membros, notícias falsas tinham mais a ver com ausência ou presença de conteúdo partidário. Vários que se identificaram como conservadores apresentaram ideias de notícias falsas que refletiam a referência do presidente Trump no que chama de “mídia falsa”. Quando perguntado sobre o que ele quiser dizer com “notícias falsas”, Bob, de 67 anos, respondeu:

“Bem, as histórias que você está ouvindo, os outros canais não estão dando. E quando eles escondem as coisas, quando você só os vê tocando em certos assuntos. Você pega Benghazi, vê muitas outras coisas acontecendo, e só 2 ou 3 veículos de comunicação conscientizando as pessoas sobre isso. Você tem a Fox News aqui e eles estão deixando você saber o que está acontecendo”. Para Bob, as fake news eram mais do que uma simples ausência: “Coisas que deveriam ter sido mostradas lá e não foram mostradas”. “Essas histórias eram necessárias para formar uma opinião”. E essas respostas, fora a Fox, que ele acreditava que dava “os 2 lados”, estavam escondendo informações importantes.

Um democrata de 42 anos, morador de Indiana, disse:

Tenho que colocar minha fé em alguma organização para que, pelo menos, eu não questione tudo. Quero dizer, eu poderia, mas seria maluco. Tipo, tenho que dar credibilidade, digamos, a CBS News e a C-Span. Essas são minhas fontes de notícia credíveis, mas você sabe, estou ouvindo que elas não são confiáveis.

Outro membro do grupo focal de Indiana, “Jason”, respondeu, percebendo o quão difícil é confiar em qualquer coisa:

Ele disse que enquanto no passado ele pensava “você tem que acreditar em algo”, agora ele está se aproximando mais à ideia desestabilizadora de que “não existe verdade”. Para Jason, havia uma linha fina entre sentir-se inseguro entre veículos de mídia, mas continuar a confiar neles e, essencial, desistir da legitimidade de qualquer 1 deles. Jason, como vários outros membros do grupo focal, sentiu-se escorregando em 1 espaço de desconfiança generalizada.

E os participantes do grupo discutiram como eles verificam diferentes fontes –mas isso pode ser cansativo e frustrante:

Brian, morador de Indiana de 42 anos, explicou que quando queria obter mais informações sobre algo que ouvira, tendia a visitar diretamente os sites ou canais de TV de “1 dos 3 maiores da ABC, ou como a CBS ou CNN”. No mesmo grupo, Todd disse que faria 1 tipo de verificação. “Vou checar o Yahoo. Vou checar a Fox News. A CNN. Acho que nesse momento meio que faço 1 combo, isso é o mesmo de todos o 3?”. Alguns participantes buscaram fontes de notícias associadas ao “outro lado político” –geralmente através de acessos diretos a marcas como Fox ou CNN. Alguns falam de seguir políticos ou campanhas com as quais discordam no Twitter ou no Facebook ou se inscreverem em listas de e-mails. No entanto, vários também falam que o processo é cansativo. Todd, quem compartilhou sua demorada rotina de verificação, explicou: “no final do dia, é como, bem, continuar com sua vida cotidiana”.

Alguns participantes não tem muita consideração pelas plataformas de mídia social. “Como 1 participante que associou plataformas de tecnologia com a esquerda explicou: ‘não há nada que o Facebook possa fazer neste momento que me faça pensar que eles são imparciais ou ponderados’”.

Os participantes também discutiram a falta de engajamento das notícias.

Steve [Kentucky], que se identificou como “inclinado para direita”, explicou como isso mudou seus objetivos e seu meio de comunicação: “ainda leio coisas ocasionalmente, como não costumava fazer. Vou apenas jogar videogame. Não me importo mais com novidades”.

Sally [Kentucky]: “acho que há momentos em que minha sensação de bem-estar e satisfação com a vida é diretamente proporcional à quantidade notícias que consumo. E as mais recentes que vejo são como, ‘oh, esse mundo está desmoronando’. Eu só não preciso saber de tudo, há o suficiente para se concentrar na comunidade que precisa da atenção, em vez de se concentrar em tudo”.

Jason [Indiana] no Twitter, rede em que ele segue, principalmente, comediantes: “mas agora toda essa leveza foi substituída pela gravidade. Então é como ‘ah, eu vim até você por 1 elevador, e agora tudo que recebo são coisas que me fazem desmoronar o dia todo. Então eu meio que estou me acostumando a usar menos”.

Ali, de Nova York, falou sobre como ele havia confiado no Facebook para receber notícias durante as eleições, mas teve que fazer uma pausa:

“Foi meio cansativo. Também não gostei, particularmente, de ser muçulmano e ver isso acontecer tanto durante essas eleições. Foi como se o problema fossem os muçulmanos. Era apenas conteúdo negativo 24 horas por dia, 7 dias por semana, para ler sobre sua própria identidade religiosa. Então, logo após as eleições, me desliguei das notícias do mundo e fui devagar, só porque acho que não posso fazer isso pelos próximos 4 anos”.

“Nós nem sabemos exatamente o que estamos enfrentando e nem sequer sabemos o que faríamos para consertá-lo”. Paris Martineau, da Wired, falou com os pesquisadores que estudam desinformação e extremismo Whitney Phillips, Alice Marwick e Becca Lewis sobre seu crescente sentimento de futilidade e mal-estar sobre o trabalho que fazem.

Phillips disse: “não é que 1 dos nossos sistemas esteja quebrado. Nem todos nossos sistemas estão quebrados. É que todos estão funcionando para a disseminação de informações poluídas e o enfraquecimento da participação democrática”.

A questão não entra muito em gênero, embora Marwick mencione brevemente: “quando você está pesquisando coisas que têm 1 impacto emocional real em você.. você tem que sentir essa emoção, porque, se você ficar inerte ao racismo ou à misoginia ou ao ódio, você não está mais fazendo seu trabalho. Você está vendo esse lixo profundamente racista o dia todo. Você não pode fingir que não está acontecendo. E acho que isso afeta você”. Kate Starbird também falou sobre confusos efeitos do estudo da desinformação.

O Facebook finalmente está banindo alguns grupos de extrema-direita, como Alex Jones, Milo Yiannopoulous e Laura Loomer (o modo como o anúncio foi feito foi estranho: o Facebook anunciou para algumas agências de notícias antes de realmente remover as páginas).

De Casey Newton no The Verge:

O fundador da Infowars, [Alex] Jones, foi suspenso do Facebook em 2018 sob as regras contra bullying e discurso de ódio. Em fevereiro de 2019, a empresa removeu outras 22 páginas associadas a ele e seus negócios. Jones tem continuamente promovido teorias de conspiração marginais, incluindo argumentos infundados de que o massacre da escola primária de Sandy Hook nunca aconteceu. Seus seguidores perseguiram e assediaram as famílias das vítimas, exigindo que elas se mudassem e vivessem escondidas.

[Paul Joseph] Watson é editor da Infowars e sócio de Jones. [Louis] Farrakhan é o líder da Nação do Islã e é conhecido por fazer comentários antissemitas e homofóbicos. [Paul] Nehlen é 1 político supremacista branco que anteriormente havia sido banido do Twitter. Yianoopoulos é 1 provocador de extrema-direita que foi banido do Twitter depois de inspirar uma onda de ataques racistas.  Loomer é uma ativista de extrema direita que recentemente chamou o Islã de “câncer da humanidade” nos Stories do Instagram (a plataforma removeu o post).

De Taylor Lorenz no The Atlantic:

O Infowars está sujeito à mais rigorosa proibição. O Facebook e o Instagram removerão qualquer conteúdo que contenha vídeos, áudios ou artigos do Infowars. Também removerá quaisquer grupos que compartilhem conteúdo do Infowars e eventos que promovam qualquer uma das pessoas de extrema-direita banidas das plataformas. As informações são de 1 porta-voz da empresa. Twitter, YouTube e Apple também baniram o Infowars e seu fundador, Alex Jones.

*Laura Hazard Owen é vice-editora do Lab. Anteriormente era editora chefe da Gigaom, onde escreveu sobre publicação digital de livros.



Nenhum comentário