domingo, 12 de maio de 2019

Substâncias do protetor solar chegam à corrente sanguínea, diz estudo


“Filtro solar. Nunca deixe de usar filtro solar”. Qualquer brasileiro que já era crescidinho no fim da década de 1990 deve se lembrar desse conselho, narrado por Pedro Bial. “Se eu pudesse dar só uma dica sobre o futuro, seria essa”, crava o apresentador. E ele estava certo. Mais de duas décadas depois e o protetor solar segue sendo a melhor forma de proteger a pele contra queimaduras e o temido câncer de pele.

Mas como esse produto age no nosso organismo? Aplicá-lo todos os dias até o fim da vida teria algum risco para a saúde? É o que a ciência busca entender. Um estudo publicado na segunda-feira (6) no periódico científico Jama deu um passo importante nessa análise.


A pesquisa – conduzida por cientistas da Food and Drug Administration (FDA), a Anvisa dos Estados Unidos – identificou que algumas substâncias do protetor solar chegam até a corrente sanguínea, e não ficam restritas às camadas da pele.

A investigação incluiu 24 pessoas. Elas foram divididas em grupos, que recebiam, a cada quatro dias, um filtro solar com composição diferente para passar em suas peles. Nesse período, os voluntários tinham que aplicar o protetor no corpo todo e repassá-lo mais três vezes durante o dia. Os produtos eram de marcas conhecidas, encontradas em farmácias americanas.

Ao analisar amostras de sangue dos participantes, os pesquisadores identificaram compostos que garantem aos filtros a capacidade de barrar a radiação solar. E mais: em concentrações que exigiriam novos estudos de segurança, segundo a FDA. As substâncias foram notadas já no primeiro dia de aplicação, e os níveis sanguíneos aumentaram ao longo dos quatro dias de testes.

Mas calma: isso não significa que protetores solares não são considerados seguros. “Até que mais informações estejam disponíveis, é preciso continuar reforçando os benefícios da fotoproteção para prevenir câncer de pele”, escrevem os autores do estudo, em nota. “Deixar de usar filtro solar poderia ter consequências negativas para a saúde”, complementam.

De acordo com os cientistas americanos, mais pesquisas são necessárias para entender não só se protetores oferecem algum risco real à saúde, mas também se isso se aplica a crianças, por exemplo, que podem absorver essas substâncias em quantidades diferentes – e sofrer com seus efeitos de forma distinta, também. Outro ponto a ser investigado é se doses menores de filtro solar (convenhamos, quem passa protetor quatro vezes ao dia?) também chegam à corrente sanguínea.

Super Interessante


Nenhum comentário:

Postar um comentário