governo

quinta-feira, 6 de junho de 2019

Com presidente da câmara "autodesignado", vereadores aprovam projeto que suspende desconto em folha de contribuição sindical

 

A Câmara de Mossoró aprovou um projeto que atinge em cheio os trabalhadores sindicalizados e fragiliza o sindicato dos servidores. O Projeto de Lei 139/2019, enviado ao Legislativo pela prefeita Rosalba Ciarlini, acaba com a obrigatoriedade do desconto da mensalidade sindical de forma consignada em folha e consequente repasse automático ao Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Mossoró (SINDISERPUM). Houve protesto dos servidores e de vereadores na Câmara.



Segundo Marleide Cunha, presidente do Sindiserpum, o objetivo do projeto é enfraquecer financeiramente o sindicato e consequentemente sua luta em defesa dos servidores. Rosalba Ciarlini, no entanto, vai conseguir mais do que isso. De imediato, ela prejudica 4 mil servidores que tinham assistência médica a partir de convênios do SINDISERPUM com a rede hospitalar privada da cidade. E prejudica ainda a própria rede de saúde pública, pois essas pessoas buscarão atendimento a partir de agora pelo Sistema Único de Saúde.

O projeto foi aprovado após muito bate-boca e empurra-empurra. “Uma vergonha o que se viu na Câmara hoje. Até usurpar a presidência usurparam”, afirma Marleide Cunha, presidente do SINDISERPUM, se referindo ao fato do vereador Rondinelli Carlos (PMN) ter tentado, a todo custo, e de forma ilegal, presidir os trabalhos na ausência da vereadora Izabel Montenegro (MDB).

Tumulto

Rondinelli Carlos sentou na cadeira de presidente da Câmara Municipal de Mossoró para conduzir a sessão, porém na ausência da presidente Izabel Montenegro (MDB) e do primeiro vice-presidente Flávio Tácito (PC do B), a sessão deveria estar sob condução do vereador Alex do Frango (PMB) seguindo a ordem da mesa.

Rondinelli pôs o projeto em votação e passou a ignorar as manifestações dos vereadores da oposição. O líder oposicionista Gilberto Diógenes (PT) chegou a se alterar e partir para cima de Rondinelli e Alex Moacir (MDB), mas foi segurado por colegas.

Alex reivindicou assumir a condução dos trabalhos, mas Rondinelli se recusou a ceder a cadeira ao colega.


A sessão chegou a ser encerrada por Alex do Frango para acalmar os ânimos.

Votaram a favor:

Rondinelli Carlos (PMN),

Tony Cabelos (PSD),

Maria das Malhas (PSD),

João Gentil (PV),

Manoel Bezerra de Maria (PRTB),

Sandra Rosado (PSDB),

Aline Couto (sem partido),

Francisco Carlos (PP),

Alex Moacir (MDB),

Didi de Arnor (PRB),

Zé Peixeiro (PTC) e

Ricardo de Dodoca (PROS).

Com informações do Mossoró Hoje e Blog do Barreto



Nenhum comentário:

Postar um comentário