Cacim


Teve início nesta quarta-feira, 11, a greve nacional dos trabalhadores dos Correios em todo o país. Os ecetistas potiguares aderiram ao movimento nacional de luta contra a privatização dos Correios, anunciada pelo presidente Bolsonaro após assembleia ocorrida na terça-feira, 10, em Natal e Mossoró.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios do Rio Grande do Norte (Sintect/RN), a paralisação é por tempo indeterminado e o primeiro ato já ocorrem nesta quarta nos dois principais municípios do estado. Novas manifestações devem ocorrer ao longo da semana.

A oposição à venda da Empresa é o carro chefe da mobilização no país. Trabalhadores alertam para os prejuízos da privatização, em especial, o aumento do desemprego. “Privatização é sinônimo de perda de emprego e, diante do quadro econômico, seria um tiro no pé”, afirma José Edilson, presidente do Sintect-RN.

“A venda ainda acarretará tarifas mais altas, a precarização do serviço e o fechamento das agências no interior do estado, em cidades onde só os Correios chegam e são a única forma de aposentados e pensionistas receberem seu benefício”, conclui.

A classe também reivindica a manutenção de cláusulas sociais, econômicas e trabalhistas no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT). As negociações foram encerradas após a negativa da Estatal em dialogar com a representação dos trabalhadores e com o Tribunal Superior do Trabalho (TST), o qual chegou a sugerir a mediação das negociações entre as partes.

Jornal De Fato


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem