BANNER 1



Na sexta-feira (25) as primeiras manchas de óleo foram encontradas na Praia de São Cristóvão, em Areia Branca, região da Costa Branca Potiguar.

O óleo foi encontrado por populares que realizavam a limpeza da praia. Ele estava nas pedras e também foi encontrado em algumas conchas marinhas.

Na quinta-feira (24) pequenas manchas de óleo já haviam sido encontradas na praia de Gado Bravo, localizada no município de Tibau.

Ambas as praias estão situadas no litoral norte do Rio Grande do Norte, uma parte que não havia sido atingida pelo desastre ambiental até esta semana.

Impacto ambiental

Na sexta o RN também registrou o primeiro caso, no seu litoral, de uma ave atingida por manchas de petróleo cru.

O animal da espécie bobo-pequeno - uma ave marinha - teve cerca de 25% do corpo coberto pela substância, segundo o Projeto Cetáceos Costa Branca, que é o responsável por receber a fauna afetada pelo óleo no estado.

De acordo com o professor Flávio Lima, coordenador do projeto, o animal foi encontrado por um pescador no Rio das Ostras, no município de Porto do Mangue. O homem resgatou o animal e levou até a cidade, onde entrou em contato com a equipe de especialistas.

"A ave está com óleo principalmente nas asas, com dificuldade de voar, por isso ele conseguiu capturá-la facilmente", disse.

Ainda segundo o professor, o bobo-pequeno é uma ave marinha que se alimenta de pequenos peixes e crustáceos. A suspeita é de que o animal tenha sido atingido pelo óleo no mar, enquanto pescava.

A ave foi levada para o Centro de Descontaminação de Fauna Oleada, na Universidade Estadual do Rio Grande do Norte em Mossoró, na região Oeste potiguar, onde inicialmente foi atendida por médicos-veterinários, para estabilização e passa por limpeza nesta sexta-feira (25).

Outros animais

Em todo o litoral nordestino, há registros de pelo menos 41 animais encontrados oleados, mortos ou vivos, de acordo com dados do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Os casos são registrados desde o início de setembro.

As tartarugas marinhas foram os animais mais afetados até agora. Ao todo, 31. Mas o Ibama também conta com oito registros de aves oleadas - sendo cinco mortas e três vivas - em Pernambuco, Alagoas e Bahia - e um peixe.

A ave encontrada no Rio Grande do Norte ainda não integrava a lista do instituto na manhã de sexta-feira (25).

Entre 11 de setembro e 1º de outubro o estado teve registro de oito tartarugas oleadas, sendo quatro vivas e quatro mortas. Um vídeo mostra o trabalho de descontaminação de um desses animais.

Mossoró Hoje e G1/RN


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem