BANNER 1


Por Martin Vasilev* via Nexo Jornal

A vida moderna é cheia de distrações — e algumas delas podem ter um efeito negativo na nossa capacidade de concentração nos estudos. O problema é que muitas pessoas tendem a subestimar o quão distraídas elas são pelo que acontece ao seu redor. Aqui estão dicas para você aproveitar ao máximo os seus estudos, considerando o seu ambiente.

A leitura é frequentemente acompanhada por uma fala de fundo, como o som da televisão, ou conversas de amigos e colegas. Ao tentar se concentrar em uma tarefa, pessoas costumam reportar que a presença próxima da fala é irritante. Mas elas não costumam ser muito boas em estimar com precisão quão distraídas elas serão por esses sons. No entanto, quando medida em laboratório, a habilidade de completar tarefas relacionadas aos estudos normalmente é piorada pelo som de conversas irrelevantes ao fundo.

Por exemplo, um estudo recente gravou os movimentos dos olhos de participantes enquanto eles liam textos e ouviam falas irrelevantes ao fundo. Os resultados mostraram que a leitura exigiu mais esforço porque os participantes tinham que voltar para reler e re-examinar as palavras com mais frequência. Essa distração ocorreu porque os leitores estavam involuntariamente tentando ouvir a fala e processar o seu significado, ainda que não tivesse nada a ver com o que eles estavam lendo.

Ouvir música é outra distração comum que muitos estudantes escolhem. Uma pesquisa recente descobriu que 62% dos estudantes universitários ouviam música enquanto estudavam ou faziam lições de casa. Mas, mais uma vez, evidências recentes de monitoramento do movimento dos olhos sugere que ouvir música também reduz a eficiência da leitura de forma semelhante à fala.

Isso pode ocorrer porque muitas músicas contêm linguagem na forma de letras que os leitores tentam processar. Na verdade, um resumo recente de um grande número de estudos sobre o tema sugeriu que ouvir músicas com letra pode ser tão prejudicial à compreensão de texto quanto a fala.

No entanto, ouvir música instrumental, sem letra, parece ter pouco ou nenhum efeito negativo sobre a compreensão. Então, se você precisa ouvir música enquanto estuda, pode ser melhor ouvir peças clássicas do que os últimos hits pop.

O problema do multitarefas

Mesmo que você encontre uma sala vazia e tire os seus fones de ouvido, estudar hoje em dia significa lidar com uma grande distração potencial na forma de smartphones e redes sociais. Em um estudo, estudantes fazendo três horas de lição de casa se engajaram com uma média de 35 distrações, como usar o celular, acessar a internet para propósitos que não o estudo, ou ouvir música.

Esses tipos de atividades multitarefas são comumente associadas a um desempenho pior nos estudos. Por exemplo, um estudo descobriu que estudantes que tinham permissão para mandar mensagens de texto durante uma palestra tinham menor compreensão do seu conteúdo do que aqueles que desligaram seus celulares. Outra pesquisa recente revelou que maior uso diário do Facebook está associado a um aumento da distração acadêmica.

Mas, ainda que o uso de outras mídias durante os estudos seja prejudicial ao desempenho, os estudantes podem nem sempre ter consciência disso, porque tendem a superestimar a sua capacidade de fazer tarefas múltiplas. Por exemplo, um estudo pediu aos participantes que fizessem uma tarefa ou duas tarefas ao mesmo tempo. As tarefas envolviam julgar se declarações orais estavam corretas e avaliar a forma de objetos visuais. Embora adolescentes e jovens adultos confiassem na sua capacidade de ser multitarefas, seu desempenho real foi quase sempre pior quando comparado a quando eles estavam fazendo apenas uma tarefa.

De forma geral, esses resultados sugerem que o uso de mídias durante os estudos deve ser limitado devido à redução do desempenho durante a execução de mais de uma tarefa. Uma estratégia para evitar os efeitos negativos de multitarefas midiáticas é fazer “pausas tecnológicas” curtas, durante as quais você acessa a internet, mas depois restringe o seu uso pelo resto do seu período de estudo. Outras opções podem ser evitar o uso de celulares ou outros dispositivos antes que se conclua os estudos do dia, ou manter essas tecnologias em espaços comuns, longe dos espaços de estudo.

Então, ainda que você pense que pode estudar em um café movimentado, ou com a televisão ligada, ou que o seu celular te mantendo conectado ao mundo, são grandes as chances de você não ser tão bom em terminar o trabalho quanto você pensa que é. Planejando suas sessões de estudo de forma a minimizar distrações externas, você pode melhorar a sua concentração e seu desempenho geral.

*Martin Vasilev é pós doutorando em psicologia da Universidade de Bornemouth.


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem