BANNER 1


O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central deve reduzir a taxa básica Selic de 5% para 4,5% ao ano nesta 4ª feira (11.dez.2019). O colegiado realiza o último encontro do ano e tomará a decisão à noite, depois das 18h.

A queda dos juros é esperada pela maior parte do mercado financeiro. A mediana das projeções do Relatório Focus do BC, divulgado na última 2ª feira (9.dez.2019), indica que a Selic vai terminar o ano em 4,5% ao ano, o menor patamar da história.

A maioria dos economistas avalia que a sequência de cortes dos juros será interrompida depois desta reunião. O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplos), que calcula a inflação oficial, veio acima do esperado em novembro. A Selic é utilizada para controlar os índices de preços.

No último mês, o IPCA subiu 0,51%. Depois disso, o mercado elevou de 3,52% para 3,84% a projeção para a inflação deste ano. O centro da meta de 2019 é 4,25%, com possibilidade de variar em 1,5 ponto percentual para mais ou menos

O analista Henrique Bousquat, sócio e responsável pela área de produtos da All Investimentos, disse que o “pulo” do percentual de variação de preços foi maior do que o previsto, mas que é 1 movimento pontual e não deve se propagar pelos próximos meses.

“Tivemos 1 repique grande na cotação do dólar, em razão da frustração do leilão de petróleo de novembro, no qual o mercado esperava 1 forte fluxo de capital estrangeiro. O que não ocorreu”, disse Bousquat.

O megaleilão do pré-sal arrecadou o volume recorde de R$ 70 bilhões, mas frustou as expectativas. Isso porque era esperado que fossem conseguidos R$ 106 bilhões em investimentos. Houve só 1 lance estrangeiro de participação minoritária. De 4 áreas em negociação, duas foram arrematadas pela Petrobras.

“Depois disso, o vetor de dólar forte prevaleceu e chegou a R$ 4,27. Houve uma disparada do dólar no curto prazo e uma inflação maior do que o previsto”, disse o analista.

SELIC A 4,25% AO ANO

Para Henrique Bousquat, a “notícia boa” é que as projeções para a inflação de 2020 não se alteraram e mantém em 3,6%, sendo que o centro da meta é de 4%. “Temos 1 conforto de quase 10% desta ótica. Ainda há uma possibilidade de manter uma política estimulativa de corte de juros. Isso não foi totalmente descartado pelo mercado e nossa visão é que a Selic pode ir para 4,25% ao ano”, afirmou o analista.

Segundo o economista, o nível seria confortável para atravessar parte do próximo ano sem pressionar os preços. O corte adicional pode ser feito, porém, caso o dólar não se valorize acima do esperado frente ao real.

O avanço das privatizações, de acordo com analistas, poderia atrair investimentos estrangeiros e criar 1 vetor de valorização do real.

O economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Rosa, afirmou que, além do dólar alto, a economia tem reagido no 2º semestre de 2019, o que pode pressionar a inflação.

“A atividade surpreendeu no 3º trimestre e está com resultados positivos no 4º trimestre também. Então o BC pode ter uma postura de mais cautela. Pode até declarar que tem espaço para estímulo, mas vai optar por observar o desempenho da economia até a próxima reunião”, declarou.

Poder 360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem