BANNER 1



Por *Luis Costa Pinto, do Poder 360

Reencontrei o intelectual pernambucano Anco Márcio Tenório Vieira quando do lançamento de “Trapaça – Saga Política no Universo Paralelo Brasileiro” no Recife. Ele participava de um bate papo, em forma de TED, com o jornalista Vandeck Santiago. No final de sua intervenção, ao declarar que era a Constituição de 1988, e não o impeachment de Fernando Collor, o maior legado político de nossa geração, advertiu: “não sou um otimista. Não esperem de mim otimismo para com o Brasil dos próximos anos ou décadas. Sou pessimista com o futuro e não nos vejo vivendo numa democracia nos próximos 20 ou 25 anos”.

Professor de Letras e Literatura na Universidade Federal de Pernambuco, Anco Márcio vê país a caminhar celeremente para longo período de ostracismo e isolamento no plano internacional. Quadra essa que será também, prediz, de perseguições e de punições às minorias resilientes aqui de dentro. Anco não definiu claramente tais minorias. Eu o faço: elas são formadas por grupos étnicos, de credo religioso, de orientação sexual, de posicionamentos ideológicos ou de formações acadêmicas diversas do melting pot bárbaro, estúpido e medieval instalado no poder com Jair Bolsonaro.

“Talvez, dentro de um quarto de século, nós, cristãos católicos, integrantes de uma parcela intelectualizada do Brasil, estejamos vivendo em nosso país como os Coptas no Egito (cristãos ortodoxos cujo grupo inicial surgiu em Alexandria): existem, de certa forma são tolerados pelos governos fundamentalistas islâmicos, representam 10% da população, preservam de alguma maneira sua cultura, mas não têm peso político para definir as diretrizes macro de uma Nação como o Egito”, foi o que disse o professor Anco. Um silêncio ora espantado, ora tenso, percorreu a plateia eclética que compunha o auditório. Fora uma sacada brilhante, precisa e afiada.

Na predição tão aterradora quanto possível do intelectual pernambucano, como as seitas neopentecostais que ascenderam com a eleição do tosco capitão do Exército serão as escolhidas por metade da população brasileira como suas curadoras espirituais até 2025, a agenda de retrocessos chegou para ficar. Com ela, regressões institucionais e debates antes impensáveis (por estapafúrdios) como “Escola Sem Partido”, “Criacionismo” e “Terraplanismo”, vieram para ficar no âmago de nossas preocupações cotidianas.

“Sou um pessimista, e como acho que a Constituição de 1988 é perfeita até em suas imperfeições, pois foi redigida com o manual de emendas que a corrigem e modernizam de tempos em tempos, temo que em 20 anos a gente sinta saudades não da Carta Cidadã de Doutor Ulysses Guimarães, mas sim da Constituição de 1824, de Dom Pedro I. Porque tudo o que Bolsonaro e seus neopentecostais não prezam é a liberdade, a democracia e a República.”

O debate, que era sobre “Jornalismo e Literatura em Tempos de Cólera”, tinha um Anco Márcio Tenório Vieira convidado como professor de Literatura. Estudáramos juntos na Universidade Federal de Pernambuco. Mais velho do que eu, ele integrava a turma que deu frutos no Novo Cinema Pernambucano como Kleber Mendonça Filho, Lírio Ferreira e Paulo Caldas.

Convidado na condição de um dos grandes professores de Literatura do país, a assertiva sobre os riscos da Democracia brasileira e a acurácia de suas observações ampliaram-no e me fizeram guindar Anco ao panteão dos intelectuais que cultivo com reverência. Afinal, o espectro de suas angústias vasculha o relevo brasileiro em giros de 360º, e é assim que tem de ser com todos e com cada um de nós.

Num intervalo de cinco meses, entre maio e setembro de 1992, o ex-presidente Fernando Collor de Mello recebeu as primeiras graves denúncias de corrupção em seu governo desferidas pelo irmão Pedro e foi ejetado da cadeira presidencial com o impeachment. Collor negligenciou a gravidade das acusações fratricidas, seguiu arrogante e distante da realpolitik, que o engoliu. Se há semelhanças entre eles, a aliança medonha e nefasta do extremismo obtuso de direita de Bolsonaro com a caixa-registradora de dízimos do neopentecostalismo liderado por Edir Macedo e sua “Igreja” Universal diferenciam imensamente as narrativas do malfadado governo Collor dos tempos estranhos que protagonizamos.

Caso não tivesse ocorrido uma união democrática de almas e consciências políticas dos mais variados matizes em 1992, o impeachment de Collor não teria se dado. O presidente renasceria das ruínas de sua gestão, restauraria as conexões com a casta superior irresponsável e ultraliberal da sociedade brasileira. O amálgama dessa união poderia ter sido o mesmo Edir Macedo que já então punha para fora suas tentações politicamente satânicas. Em cinco meses Fernando Collor saiu de uma tentativa de renascimento de seu governo para o helicóptero que o tirou do Planalto depositando-o de volta à vida civil e à Casa da Dinda.

Para fazer desandar uma gestão tresloucada, portanto, cinco meses são suficientes e cabem em quaisquer dos semestres do ano de 2020. A ausência de um jornalismo aplicado, independente e aguerrido, catalisador dos escândalos da Era Collor, é outro dos fenômenos que situam o Brasil de hoje a anos-luz do país que tínhamos há quase 30 anos. É esse o cenário que embala e confere pertinência ao pessimismo do intelectual Anco Márcio.



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem