BANNER 1


Em reunião que avalia como positiva, a governadora Fátima Bezerra esteve mais uma vez reunida em audiência com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco na sede da estatal, no Rio de Janeiro, na quinta-feira (06).

"Mais uma vez, viemos tratar de temas fundamentais para o desenvolvimento do Rio Grande do Norte que são as áreas de petróleo e gás. Buscamos assegurar a permanência da Petrobras em solo potiguar, dada a importância desta cadeia produtiva para o nosso estado", expressou a governadora, que esteve acompanhada do senador Jean Paul Prates e da presidente da Companhia Potiguar de Gás (Potigás), Larissa Gentile.

"O off shore permanece no radar da Petrobras", estas foram as palavras do diretor executivo de exploração e produção, Carlos Alberto de Oliveira, ao afirmar a permanência da estatal no Rio Grande do Norte, especialmente em áreas profundas. Mesmo diante da situação de desinvestimento da atuação da Petrobras na Região Nordeste, a equipe técnica afirmou a governadora, que vai manter os investimentos no RN. "Afirmaram manter os ativos que hoje são responsabilidade da Petrobras e isto significa toda a produção terrestre e marítima, que incluem os campos de Canto do Amaro e Alto do Rodrigues", explicou o senador.

O Rio Grande do Norte possui campos em produção e em  delimitação. Sobre o campo de Pitu (off shore), por exemplo, que encontra-se em fase de delimitação, a companhia já declarou que este permanece na programação da empresa para iniciar a perfuração nos próximos quatro anos, com perspectiva de aumentar significativamente a produção.

Durante a reunião foi sinalizado que os ativos em terra e a refinaria, podem fazer parte de um pacote futuro de desinvestimentos. "O presidente da empresa foi enfático ao falar que manterá a produtividade desses ativos inalterados ao longo do processo, caso venham ocorrer leilões destas áreas.

A governadora reforçou o apoio do Governo do Estado para analisar estas alternativas com antecedência, no intuito de promover incentivos fiscais e mecanismos para a manutenção e ampliação dos investimentos nas áreas onde a Petrobras atua no Estado.

Novos ventos

Ainda durante a reunião, Jean Paul Prates chamou atenção para a necessidade da manutenção do projeto-piloto de pesquisa e desenvolvimento, utilizando a plataforma de Ubarana, de geração de energia eólica off shore. "Eles ficaram fortemente impactados quando falamos sobre a importância de manter esta pesquisa que possui um baixo custo e alta perspectiva de sucesso. Também falaremos deste projeto na reunião de amanhã, com a empresa Equinor, que é parceira da Petrobras para o desenvolvimento da atividade de geração de energia eólica no mar", ressaltou Prates.


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem