BANNER 1

Passarão pela Sapucaí, a partir das 21h30: Estácio, Viradouro, Mangueira, Tuiuti, Grande Rio, Ilha e Portela. G1 reúne enredos, sambas, mudanças nas equipes e curiosidades.


Sete escolas de samba abrem neste domingo (23) os desfiles do Grupo Especial do carnaval do Rio em 2020. A festa está prevista para começar às 21h30, com a Estácio de Sá, seguida de Viradouro, Mangueira, Tuiuti, Grande Rio, União da Ilha e Portela.


Campeã da Série A em 2019, a escola investiu pesado na contratação da carnavalesca Rosa Magalhães. A grande dama completa, em 2020, 50 anos de Avenida — e está em busca de seu nono título com o enredo ‘Pedra’.
“A pedra foi o primeiro livro da humanidade. É onde estão os registros da pré-história. No Brasil tem achados arqueológicos incríveis. Vamos homenagear os arqueólogos, as pessoas que buscam descobrir, revelar e preservar a nossa história”, destacou a carnavalesca.

Ficha técnica
  • Campeã da Série A em 2019
  • Quando desfila: primeira de domingo, às 21h30
  • Alegorias: seis, sendo o abre-alas acoplado e um tripé na comissão de frente
  • Componentes: 3.000 em 26 alas
  • Rainha: Jack Maia 
A Unidos do Viradouro vai contar a história de mulheres que lutaram para construir o Brasil. A escola de samba de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, pretende mostrar no carnaval do Rio a história das Ganhadeiras.
“Uma Viradouro que vem purificar a alma, contando a história de bravura dessas mulheres, que retratam a ancestralidade de grande parte que lutaram para construir o Brasil: são as ganhadeiras (...) É uma grande homenagem a essas descendentes de escravas que estão na lagoa de Itapuã e cantam músicas belíssimas”, afirmou Marcus Ferreira.
Ficha técnica
  • Vice-campeã de 2019
  • Quando desfila: segunda escola de domingo, entre 22h30 e 22h40.
  • Carnavalescos: Tarcísio Zanon e Marcus Ferreira
  • Enredo: "Viradouro de alma lavada"
  • Rainha de bateria: Raissa Machado 
Atual campeã do carnaval, a Estação Primeira deste ano será “muito superior à Mangueira de 2019”. A aposta é do carnavalesco Leandro Vieira, que promete uma Verde e Rosa impactante, "principalmente no visual", com alegorias mais imponentes e fantasias mais luxuosas e arrojadas.
No ano passado, Leandro resgatou e homenageou personagens brasileiros que os livros -- segundo ele -- não destacam, arrebatando público e jurados.
Em 2020, o protagonista é Jesus Cristo, cuja história talvez seja a mais contada do mundo. Com “A verdade vos fará livre”, Leandro fará a sua interpretação da vida de Cristo.

O carnavalesco diz que o enredo -- que tanta polêmica tem levantado, principalmente nas redes sociais -- nada tem de religioso, político ou partidário, muito menos a intenção de desrespeitar qualquer crença.
Com seu carnaval, Leandro quer suscitar a reflexão no país, "que vive um momento de extremismo conservador".
“A vida de Cristo já foi contada em cinema, teatro, livro, artes plásticas, TV. A ideia é fazer dela um tema de um desfile de escola de samba, que entendo como arte maiúscula. E por ser maiúscula, não pode haver restrição no que se pode abordar. Não é uma invenção da Mangueira. É a história mais tradicional, comum e, talvez, a mais revisitada na história da arte”, defende Leandro.

Ficha técnica
  • Campeã de 2019
  • Quando desfila: terceira escola de domingo, entre 23h30 e 23h50
  • Carnavalesco: Leandro Vieira
  • Enredo: "A Verdade vos fará Livre"
  • Rainha de bateria: Evelyn Bastos 
  • A Tuiuti fará uma grande homenagem para o padroeiro do Rio de Janeiro. “O santo e o rei” vai mostrar o encontro de Dom Sebastião, rei de Portugal, com São Sebastião, padroeiro do Rio.
O carnavalesco João Vitor Araújo explicou a escolha da escola: "Sebastião, santo e rei, representam a busca do nosso povo pelo seu próprio rumo. Por isso que nós, da comunidade do Tuiuti pedimos a nosso santo padroeiro e a Oxóssi - por que não ? - para que tirem as flechas do caminho, do peito da nossa gente, da nossa cidade".

Ficha técnica
  • Colocação em 2019: 8º lugar
  • Quando desfila: quarta escola de domingo, entre 0h30 e 1h
  • Carnavalesco: João Vitor Araújo
  • Enredo: "O Santo e o rei: encantarias de Sebastião"
  • Rainha de bateria: Lívia Andrade
A Tricolor de Caxias vai levar o debate sobre tolerância religiosa para a Sapucaí contando história do mais famoso pai de santo da cidade, Joãozinho da Gomeia.
Os carnavalescos Gabriel Haddad e Leonardo Bora estreiam no Grupo Especial com a responsabilidade de fazer a escola voltar a figurar entre as chamadas grandes agremiações com o enredo “Tata Londirá: O canto do caboclo no quilombo de Caxias”.

"Joãozinho da Gomeia é uma celebridade em Caxias e, hoje, na cidade, é de uma importância muito grande para evocar o respeito aos terreiros tanto de candomblé, quanto de umbanda", diz Leonardo Bora.
  • Colocação em 2019: 9º lugar
  • Quando desfila: quinta escola de domingo, entre 1h30 e 2h10
  • Carnavalescos: Gabriel Haddad e Leonardo Bora
  • Enredo: "Tata Londirá: o canto do caboclo no quilombo de Caxias"
  • Rainha de bateria: Paolla Oliveira
  • Uma mulher negra prestes a dar à luz é a protagonista do desfile da União da Ilha. A Tricolor Insulana levará para a Avenida o enredo “Nas encruzilhadas da vida, entre becos, ruas e vielas, a sorte está lançada: Salve-se quem puder!”, de Fran-Sérgio e Cahê Rodrigues.
  • “O enredo da Ilha fala das encruzilhadas que nós todos temos que enfrentar para ter uma vida mais digna”, sintetiza Fran.
    Uma das passagens do desfile será a protagonista implorando atendimento. “Ela fala: ‘Seu doutor, eu estou aqui, olha por mim’”, detalha Fran.
    Ficha técnica
    • Colocação em 2019: 10º lugar
    • Quando desfila: penúltima escola de domingo, entre 2h30 e 3h20
    • Carnavalescos: Fran-Sérgio, Cahê Rodrigues e Laíla
    • Enredo: "Nas encruzilhadas da vida, entre becos, ruas e vielas, a sorte está lançada: Salve-se quem puder!
    • Rainha de bateria: Gracyanne Barbosa
    A maior campeã do carnaval carioca vai contar a história, o comportamento e cultura dos primeiros habitantes do RJ, antes da chegada dos conquistadores portugueses com o enredo “Guajupiá, terra sem males”.
Guajupiá é o Olimpo dos tupinambás. Assim como os gregos tinham essa ânsia de alcançar o Olimpo por meritocracia, pelas lutas, pelas guerras, os índios, em sua mitologia, tratavam Guajupiá como esse paraíso a ser alcançado”, explicou Márcia Lage.
Ela explica que a terra tem um significado especial para os indígenas.
“Quando eles começaram a fazer a migração, descendo pela costa do Brasil e se depararam com o Rio de Janeiro, eles juraram ter encontrado esse Guajupiá materializado aqui”, destacou a carnavalesca.
Ficha técnica
  • Colocação em 2019: 4º lugar
  • Quando desfila: última escola de domingo, entre 3h30 e 4h30
  • Carnavalescos: Renato Lage e Márcia Lage
  • Enredo: "Guajupiá, terra sem males!"
  • Rainha de bateria: Bianca Monteiro 



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem