BANNER 1


A FUP (Federação Única dos Petroleiros) anunciou na 5ª feira (20.fev.2020) que a categoria suspenderá a greve para tentar novo acordo com a Petrobras. A paralisação dos petroleiros já dura 20 dias. De acordo com a federação, a decisão foi tomada em assembleias realizadas pelos 13 sindicatos filiados.

“Com isso, os petroleiros reforçam sua disposição em dialogar com a Petrobras na manhã desta 6ª feira (21.fev.2020), em Brasília, em audiência de mediação proposta pelo ministro Ives Gandra, do TST (Tribunal Superior do Trabalho)”, diz o comunicado.

A reunião também deve contar com a presença de representantes da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia.

A paralisação começou em 1º de fevereiro com o pedido da categoria para suspender as demissões em subsidiária da Petrobras no Paraná. A FUP aponta que as demissões afetam mais de 1.000 famílias. Se não houver 1 acordo, o sindicato diz que vai indicar a retomada do movimento.

A decisão de pausar o movimento se deu depois de indicativo divulgado na 4ª feira (19.fev):



REIVINDICAÇÕES

Os petroleiros querem o estabelecimento de negociação com a estatal para cumprimento de ACT (Acordo Coletivo de Trabalho) que, argumenta a federação, vem sendo descumprido. A FUP aponta, ainda, entre as reivindicações o fim da política de paridade de preços com o mercado internacional.

Eis lista com as reivindicações da categoria (121 KB).

Em nota, a Petrobras afirmou que o movimento é “descabido” e que tomou as providências necessárias para garantir a continuidade das atividades. De acordo com a estatal, todos os compromissos assumidos na negociação do ACT (Acordo Coletivo de Trabalho) 2019-2020 vêm sendo integralmente cumpridos.

O presidente da petrolífera, Roberto Castello Branco, afirmou que, mesmo diante de eventual acordo na manhã de 6ª feira, contratos de trabalho serão suspensos.

Diferentemente dos sindicatos, que falam em 1.000 desempregados, a estatal reconhece responsabilidade pelos 396 contratados diretos. “Não existe essa história de 1 mil empregados. O restante é dos fornecedores”, disse Castello Branco.

Poder 360



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem