BANNER 1


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) protagonizou mais uma cena de descaso com a gravidade do coronavírus. Em entrevista ao apresentador Datena na noite de sexta-feira (27), o chefe do Executivo confessou ter ciência de que o covid-19 vai matar pessoas, mas não demonstrou empatia. “Alguns vão morrer? Vão, ué, lamento. Essa é a vida”, disse Jair.

Desde o início, o presidente tem tratado com desprezo as mortes por coronavírus no país e no mundo. Em pronunciamento na TV nessa semana, Bolsonaro disse que o vírus não passa de uma gripezinha e que "só mata" idosos e pessoas com condições preexistentes. Além de desumana, a afirmação do presidente é mentirosa.

Nos Estados Unidos, por exemplo, 29% dos casos confirmados é em pessoas entre 20 e 44 anos. Entre os casos graves, que necessitam de hospitalização, 20% estão entre essa faixa etária e 12% necessitam de terapia intensiva.

Já na França, um pouco mais de 30% dos casos confirmados são em pessoas entre 15 e 44 anos. Entre os caos que necessitam de terapia intensiva, essa faixa etária ocupa 8% dos leitos. Mais da metade não apresentava fator de risco.

Como pode ser checado nos dados, a doença atinge mais severamente os mais idosos e as pessoas com algum tipo de doença preexistente, mas os jovens não estão livres dela.

"O brasileiro tem que ser estudado. Ele não pega nada. Você vê o cara pulando em esgoto ali, sai, mergulha, tá certo? E não acontece nada com ele", disse o chefe do Executivo na chegada ao Palácio do Alvorada na tarde da última quinta-feira (26).

O momento vivido no país é de tensão entre o Executivo Federal e os estaduais. O presidente tem insistido em recriminar os governadores e prefeitos que estão seguindo as orientações do Ministério da Saúde, da Organização Mundial da Saúde (OMS), das secretarias estaduais da Saúde e dos maiores cientistas do mundo: determinando o isolamento social.

Para Bolsonaro, todos acima estão errados e o correto é viver uma vida normal no país, enquanto a pandemia contamina e mata milhares de pessoas. "Eu tenho histórico de atleta, se eu pegar vai ser só uma gripezinha", debochou o presidente em pronunciamento na televisão. O vírus já matou 92 pessoas no Brasil e vitimou fatalmente 23.495 vidas em todo mundo.

A Justiça precisou intervir para que o governo de Jair Bolsonaro não continue a adotar medidas contrárias ao isolamento social como forma de prevenção ao coronavírus. Dois decretos do presidente que ia nesse sentido foram suspensos, o que classificava as igrejas e casas lotéricas como serviços essenciais, o que, na prática, permitia o funcionamento desses estabelecimentos, mesmo em estados em que os governos municipais ou estaduais tivessem proibido aglomerações.

Congresso em Foco


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem