BANNER 1


Apesar de incertezas econômicas da pandemia de covid-19, o Governo Federal mantém para 2020 o leilão de 740 campos de petróleo e gás. A garantia foi dada pelo secretário nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, José Mauro Ferreira, em videoconferência com organizações do setor, na quinta-feira (14).

A reunião online encaminhou a retomada do Programa de Revitalização das Atividades de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural em Áreas Terrestres (Reate 2020). No centro dessa estratégia, está venda para empresas de campos petrolíferos devolvidos à Associação Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Oportunidade

Essa modalidade é vista como fundamental para reaquecer a produção onshore (em terra) no Brasil. E interessa ao Rio Grande do Norte, referência em produção continental. A Associação Redepetro RN participou da videoconferência e mostra otimismo, com a confirmação do 2º Ciclo da Oferta Permanente de Áreas da ANP.

É que, dos 740 blocos ofertados, 497 campos são em terra. “Há também boa procura por empresas estrangeiras. Ou seja, se essas empresas realmente adquirirem blocos e fizerem investimentos, anima novamente o mercado para os próximos anos”, explica o presidente da Redepetro, Gutemberg Dias, que participou da reunião online.

Estratégias

Para viabilizar essa retomada, o Reate 2020 projeta novas diretrizes diante do impacto da pandemia de covid-19 na economia global. É o caso da redução dos valores de royalties do onshore, equalização do licenciamento ambiental (Licença Simplificada), reestruturação da regulação para o segmento onshore, segundo Gutemberg Dias.

“Foi comunicado também que, em junho, a SPG (Secretaria de Petróleo e Gás) apresentará relatórios dos subgrupos do Reate 2020 e, em julho, a Cartilha do Onshore Brasileiro em língua inglesa, para divulgar as oportunidades no Brasil no segmento internacional. Essa postura reitera o interesse do governo em reaquecer o onshore”, avalia.

Representatividade

Além da Redepetro, participaram da reunião com a Secretaria Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da ANP a Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Petróleo e Gás (ABPIP), Organização Nacional da Indústria do Petróleo (ONIP), Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP) e Empresa de Pesquisa Energética (EPE).


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem