BANNER 1


Jair Bolsonaro definiu o delegado Rolando Alexandre de Souza, "número dois" da Abin (Agência Brasileira de Investigação), para o diretor-geral da Polícia Federal nesta segunda-feira (04).

A decisão do presidente vem depois do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes, anular a escolha de Alexandre Ramagem para o cargo, fato que irritou Bolsonaro. Moraes viu “abuso de poder por desvio de finalidade", já que Ramagem é amigo da família do presidente.

O decreto foi assinado pelo presidente e pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça.

Rolando é o atual secretário de Planejamento e Gestão da Abin e é próximo de Ramagem. A escolha é vista internamente como uma medida provisória. O presidente ainda espera encontrar uma saída para nomear o amigo de sua família para o cargo máximo da PF.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, Bolsonaro foi aconselhado a agilizar a escolha de um novo nome depois da decisão de Moraes.

O comando da PF foi uma das principais motivações para a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça. Bolsonaro insistiu na demissão de Maurício Valeixo, escolhido por Moro, da diretoria-geral da PF. Moro deixou o cargo acusando Bolsonaro de querer interferir na atuação do órgão.

No domingo (03), sem citar o STF, Bolsonaro mandou um recado para a instituição, deixando claro que não estava satisfeito com as ações da Corte.

"Peço a Deus que não tenhamos problemas essa semana,. Chegamos no limite, não tem mais conversa, daqui pra frente, não só exigiremos, faremos cumprir a Constituição, ela será cumprida a qualquer preço, e ela tem dupla mão".


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem