BANNER 1


O Rio Grande do Norte contabiliza 92 mortes por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) até o dia 6 de maio deste ano, de acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap). O número é praticamente o triplo do registrado no mesmo período de 2019, com um total de 31 óbitos.
Do total de mortes por SRAG, segundo a Sesap, 52 foram provocadas pelo Covid-19. Desta forma, a doença causada pelo novo coronavírus foi responsável por 56,5% de todas as mortes por síndrome respiratória.

A SRAG é a definição válida para os sintomas severos – como febre, tosse e dificuldade de respirar – causados por vários tipos de infecções por vírus respiratórios, como os da influenza (H1N1), além do novo coronavírus (Sars-Cov-2).

Ainda de acordo com dados da Sesap, a síndrome respiratória aguda grave causou 490 internações hospitalares até quinta-feira (7) no Rio Grande do Norte. O volume de internação é 188% maior que até o mesmo período do ano passado, quando foram registradas 176 internações.

Os dados oficiais mostram que o aumento expressivo de casos começou a ser verificado a partir da segunda quinzena de março. Entre os dias 14 e 21 de março, por exemplo, foram 89 internações por SRAG contra 12 casos no mesmo período de 2019.

Os casos no Rio Grande do Norte seguem a tendência nacional. O novo relatório semanal da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), relativo à semana entre 26 de abril a 2 de maio, destaca a manutenção tendência de aceleração no crescimento tanto das internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) quanto dos casos de Covid-19.

Todas as regiões do país seguem na zona de risco e com atividade semanal muito alta para SRAG, com predominância de 82,7% do novo coronavírus entre os casos que já tiveram um resultado laboratorial positivo.

Segundo o boletim, até o dia 02 de maio, o Brasil teve um total de 57.017 casos de SRAG notificados. Mas com a previsão de atraso, de acordo com a metodologia desenvolvida pela plataforma, a estimativa é que este total atualizado seja de 74.232, com um intervalo de confiança de 65.441 a 87.303. No caso de óbitos, já foram inseridos no sistema um total de 8.024 notificações, o que leva uma estimativa de que o total até a semana 18 seja de 9.587, com intervalo de confiança de 8.785 mil a 11.040 mil.

Entre os casos reportados, 16.260 tiveram resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório, sendo 5,2% Influenza A, 2,6% Influenza B, 3,1% vírus sincicial respiratório, e 82,7% SARS-CoV-2 (Covid-19).

Segundo Marcelo Gomes, pesquisador da Fiocruz, a manutenção da tendência de crescimento no número de casos semanais reforçam o indício de retomada da aceleração no crescimento de casos.

“Tivemos duas semanas de crescimento muito intenso em meados de março, depois tivemos uma clara desaceleração no final do mês e começo de abril. A redução do ritmo do crescimento pode ser associada à forte adesão que tivemos ao isolamento social desde o começo de março. Porque a gente tem um efeito lento nesse processo, o tempo entre a infecção e a hospitalização é, em média, de duas semanas”, conclui Marcelo Gomes.

Agora RN


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem