BANNER 1


O Rio Grande do Norte tem atualmente a maior reserva hídrica dos últimos oito anos, segundo o Instituto de Gestão das Águas do Rio Grande do Norte (Igarn). O atual volume nos reservatórios hídricos, que é o maior desde 2012, é suficiente para às demandas hídricas estaduais até a quadra chuvosa de 2021, de acordo com o órgão.

"Acreditamos que fazendo uma boa gestão dos recursos hídricos chegaremos à próxima quadra invernosa em condição ainda melhor que a deste ano e, tendo um outro inverno dentro do normal, poderemos seguir com a recuperação dos nossos reservatórios”, disse diretor-presidente do Igarn, Auricélio Costa.

"Temos a melhor situação das reservas hídricas estaduais dos últimos 8 anos. A Armando Ribeiro Gonçalves também está com o seu maior acumulo de águas desde 2012".

O último relatório do Igarn, atualizado na segunda-feira (8) com o fim da quadra chuvosa no interior do estado, aponta que o RN está atualmente com 55,77% do volume total dos mananciais. Ou seja, há um acumulado de 2.441.024.096 m³ de água num total que suporta 4.376.444.842 m². Como base de comparação, no mesmo período do ano passado, esse volume era de 33,11%.

O Igarn monitora os 47 reservatórios de água que são responsáveis pelo abastecimento das cidades potiguares.


Parte desse aumento se deve à barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório estadual. O manancial continua a receber aporte hídrico e está com 64,64% do volume total, que representa 1.533.987.376 m³ de 2,37 bilhões de metros cúbicos. Em junho do ano passado, esse número era de 34,50%.

Segundo maior reservatório estadual, a barragem Santa Cruz do Apodi está com 35,95% da capacidade. No ano passado, neste mesmo período, o acumulado era de 25,32%.

Outros mananciais

A barragem Umari acumula percentualmente 88,15%, que representam 258.120.744 m³ do total . No ano passado, esse número era de 41,09%. A barragem Pau dos Ferros manteve o volume do relatório anterior e tem 38,9% da capacidade. Em junho de 2019, esse número era de 1,15% do volume total.

O Gargalheiras, em Acari, está com 34,57% da capacidade total, que é de 44.421.480 m³. Em 2019, o açude estava com 0,59% do seu volume máximo. O reservatório Alecrim, em Santana do Matos, está com 61,71% m³ do volume máximo, que é de 7 milhões de m³.

O açude Santa Cruz do Trairi, localizado em Santa Cruz, está com 46,95% da sua capacidade total, que é de 5.158.750 m³, o maior volume desde 2012. Em janeiro, ele estava completamente seco.

Reservatórios com 100%

Os reservatórios que permanecem com 100% da sua capacidade são: Apanha Peixe (Caraúbas), Mendubim (Assu) e Beldroega (Paraú).

Outros mananciais já sangraram nesta quadra chuvosa do interior e continuam com níveis acima dos 90%:

  • Santana (Rafael Fernandes), com 98,67%
  • Passagem (Rodolfo Fernandes), com 97,76%
  • Santo Antônio de Caraúbas (Caraúbas), com 98,5%
  • Morcego (Campo Grande), com 99,37%
  • Encanto (Encanto), com 98,46%
  • Riacho da Cruz II (Riacho da Cruz), com 99,42%
  • Dourado (Currais Novos), com 99,69%
  • Pataxó (Ipanguaçu), com 98,48%.

Inferiores a 10%

Dois dos 47 reservatórios estão com níveis inferiores a 10%, o que representa um nível de alerta: Passagem das Traíras, com 1,58%, e Esguicho, com 2,98%. O primeiro reservatório, no entanto, está em reforma e não pode acumular grande volume hídrico.

Os mananciais completamente secos também são dois: Inharé, em Santa Cruz, e Trairi, em Tangará.

Situação das lagoas

A Lagoa de Extremoz, responsável pelo abastecimento de parte da Zona Norte de Natal, está atualmente com 100% da sua capacidade, que é de 11.019.525 m³. Outra com volume máximo é a Lagoa do Boqueirão, em Touros, com 100% correspondentes a 11.074.800 m³.

Já a Lagoa do Bonfim, em Nísia Floresta, está com 52,41% da sua capacidade total que é de 84.268.200 m³.

G1/RN


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem